Governo de Pernambuco pagou R$ 220,9 milhões à Schaim Engenharia, próximo alvo da Lava Jato, para construção de hospitais e habitacionais

Dados do Portal da Transparência do Governo de Pernambuco revelam que pagamentos à Schain Engenharia, que segundo notícia veiculada, hoje, pelo Portal Brasil 247, será uma das construtoras atingidas pela delação premiada do ex-diretor da Petrobras, Pedro Barusco, chegaram a R$ 220.941.800,00, somente entre os anos de 2008 e 2014, já que o período anterior a 2008 não está disponível para consulta.









Em discurso proferido da tribuna da Câmara Federal, a então deputada e hoje Ministra do TCU, Ana Arraes, destacava a atuação da empresa Schain na construção, em SUAPE, da primeira plataforma destinada à exploração do pré-sal, numa parceria com a empresa japonesa MODEC que, segundo Ana Arraes, já seria fornecedora da Petrobras. Segundo a própria Ana Arraes, paralelamente a isso, o então governador de Pernambuco, Eduardo Campos, pessoalmente, mantinha entendimentos com as construtoras Alusa e Galvão, esta hoje já delatada dentro da Operação Lava jato, para a implantação de um terceiro estaleiro em SUAPE, com investimentos da ordem de US$ 300 milhões. Como se pode perceber, os negócios das empreiteiras alvo das delações premiadas da Operação Lava Jato, em Pernambuco, não estavam restritas à Refinaria Abreu e Lima:




MAIS VISITADAS DO MÊS

Aliado de Arthur Lira, do Centrão, Marinaldo Rosendo é alvo de Operação da PF por desvios de recursos do SUS durante sua primeira gestão na Prefeitura de Timbaúba

Após dia de polêmica, Marília Arraes solta nota rebatendo acusações de traição, golpismo e aliança com a direita que lhe foram imputadas por colegas do PT

Lideranças e ex-presidentes defendem reeleição do Bruno Baptista à presidência da OAB/PE

Diretoria Antimáfia Italiana e Polícia Federal em Pernambuco prendem Italiano apontado como líder de rede de traficantes internacionais de drogas. O estrangeiro morava em Aldeia, na cidade pernambucana de Camaragibe

Priscila Krause afirma que João Campos manteve equipe administrativa da Secretaria de Saúde, alvo de sete operações da PF: “de fato ele confia na equipe”