RECOLHIMENTO DE GERALDO JÚLIO CAUSA INSEGURANÇA ENTRE PRÉ-CANDIDATOS QUE O APOIAM


A saída de Danilo Cabral do secretariado de Paulo Câmara, sem nenhuma justificativa sustentável para essa saída, que não seja estar em condições de elegibilidade para o pleito de 2016, no Recife, conforme já aventamos, aqui mesmo em nosso Blog (Leia AQUI), não é a única razão para que os vereadores da base governistas do prefeito Geraldo Júlio e demais pré-candidatos das chapas que têm sido montadas para apoiar sua reeleição se sintam inseguros com o destino da candidatura do próprio Geraldo Júlio e também com as próprias candidaturas.

É que, segundo fontes palacianas ouvidas pelo Blog, tem sido recorrente a recusa do prefeito em receber vereadores e pré-candidatos, nos últimos dias e quem o procura é avisado de que o prefeito só estará disponível para ter qualquer conversa daqui a um mês, ou seja, no final de junho. O que estaria levando o prefeito a se afastar de suas bases, justamente num momento crucial como este? Questionam-se alguns vereadores e dirigentes de partidos que estranham o incomum e até onde se sabe, inexplicável, recolhimento de Geraldo Júlio, que até bem pouco tempo vinha tratando, pessoalmente, da composição das chapas que deveriam apoiá-lo, na campanha sucessória que se aproxima.


MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia