TRF5 MANTÉM 'LARANJAS" DO PSB NA CADEIA.



Conforme já haviam sinalizado na decisão que negou o Habeas Corpus ao "laranja" Apolo Santana, os desembargadores federais da 2ª Turma decidiram, agora há pouco, manter presos os demais envolvidos no esquema que, segundo a Polícia Federal e o Ministério Público Federal, teria lavado mais de R$ 600 milhões de recursos desviados de obras e contratos públicos por políticos, empresários e empreiteiras ligados ao Partido Socialista Brasileiro, para campanhas eleitorais e enriquecimento ilícíto.

Mais cedo, os advogados contratados pela defesa de Ventola e João Carlos Lyra haviam substabelecido a defesa para o mesmo advogado que defende o empreiteiro Marcelo Odebrecht, cuja empresa está envolvida nas investihações da Operação Fair Play, que apura fraudes no contrato da Arena Pernambuco, o advogado alagoano Nabor Bulhões, entretanto, a atuação de Bulhões, considerado um "medalhão" na área penal, não foi suficiente para que a liberação de seus clientes, diante da enorme repercussão que o caso tem tido perante a opinião pública não só pelas peculiaridades do caso que vão desde os valores envolvidos, passando pela queda da aeronave que teria sido adquirida com recursos escusos e culminando com a morte susteita de um dos envolvidos no esquema.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia