PRESO AO DESEMBARCAR DE JATINHO NA BAHIA, RECORDISTA EM SONEGAÇÃO DE PERNAMBUCO JÁ SE ENCONTRA NO COTEL

Foto: Polícia Civil
Já se encontra recolhido no COTEL, o empresário capixaba Marcos Augusto da Silva Rocha, que é apontado pelos Ministérios Públicos de Pernambuco, da Bahia e de Minas Gerais como líder de uma organização criminosa especializada em sonegação fiscal.

Marcos Augusto, que é dono da Petróleo Do Valle, distribuidora de combustíveis cujas atividades foram encerradas em 2014, foi preso em Salvador, ao desembarcar de um jatinho fretado, pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), em cumprimento de  um mandado de prisão preventiva expedido pela Vara Criminal da Comarca de Ipojuca, em Pernambuco, por crimes contra a ordem tributária.

Pesam sobre Marcos Augusto acusações de que o esquema por ele comandado teria sonegado cerca de meio bilhão de reais em tributos, dos quais R$ 25 milhões em Minas Gerais, R$ 36,4 milhões em Pernambuco e R$ 437 milhões só na Bahia. 

De acordo com o Ministério Público de Pernambuco, a empresa de Marcos Augusto além de não recolher o ICMS, ainda se apropriava indevidamente do mesmo tributo que retinha de terceiros. 

A Justiça também bloqueou contas bancárias e sequestrou  bens do réu e de sua empresa, no valor aproximado do rombo em Pernambuco. Em 2015, alvo da Operação Etanol, Marcos Augusto chegou a ser preso, pelos mesmos crimes, a pedido do Ministério Público da Bahia.

* Com informações do G1 e do Correio24Horas

MAIS VISITADAS DO MÊS

Justiça recebe denúncia contra tenente coronel da PMPE acusado de assediar sexualmente 4 subordinadas policiais militares

Empresário é executado com tiro na cabeça, no Recife e Polícia mantém seu nome sob sigilo. Vítima seria irmão de autoridade do Poder Judiciário. Crimes de mando têm sido frequentes em Pernambuco

Roberto Viana e o Game of Thrones de Pernambuco

Antônio Campos cumpriu o que disse à Época e depôs hoje, no MPF, como testemunha em inquérito sigiloso envolvendo caciques do PSB. Vejam a nota

Indústria de multas de Geraldo Júlio arrecadou R$ 230 milhões em apenas 4 anos enquanto gastos com educação no trânsito não chegam a R$ 550 mil