PSB E RÉUS DA TURBULÊNCIA SÃO CONDENADOS A INDENIZAR FAMÍLIA DO PILOTO DO JATINHO


Uma decisão da Justiça do Trabalho de São Paulo acaba de condenar o Partido Socialista Brasileiro (PSB) e os empresários João Carlos Lyra e Apolo Santana Vieira, juntamente com a construtora AF Andrade, a pagarem débitos trabalhistas, mais indenizações por danos morais e materiais, à família do piloto Marcos Martins, que comandava o jato Cessna, em que morreu o ex-candidato à Presidência Eduardo Campos em 13 de agosto de 2014.

Tanto João Carlos Lyra, quanto Apolo Santana são réus no processo criminal que teve origem na chamada Operação Turbulência, que investigou uma Organização Criminosa acusada de lavar mais de R$ 600 milhões de recursos frutos de propinas e superfaturamentos de obras e contratos públicos em Pernambuco e que teriam sido decorrentes de crimes de corrupção praticados por agentes públicos e politicos ligados ao PSB de Pernambuco juntamente com empreiteiras.


A decisão que responsabilizou o PSB e os réus da Turbulência pela indenização trabalhista foi do Juiz do Trabalho Samuel Batista de Sá, da 45ª Vara do Trabalho do TRT de São Paulo.

Segundo o juiz, o PSB tinha plena consciência do contrato e era o responsável pela agenda do então candidato e das presses exercidas sobre o piloto para o cumprimento dessa agenda. A indenização total, incluindo os danos morais, deve ficar em torno de R$ 2 milhões. Saiba mais AQUI.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Durante julgamentos de interesse da gestão Geraldo Julio, um dos quais envolvendo a Casa de Farinha, Conselheiros do TCE/PE perdem a calma, gritam e interrompem Procuradora que combate a corrupção no Governo de Pernambuco e na Prefeitura do Recife

Exclusivo: TJPE determina afastamento do Prefeito de Paulista, Junior Matuto, a pedido do Dracco, por desvios de R$ 21 milhões em PPP do lixo com a empresa Locar

"Grampos" da Operação Locador, do DRACCO, mostram temor de investigados de que chefões da gestão Matuto lhes fizessem "mal" e espanto com pagamentos em dinheiro vivo feitos pelo prefeito na compra de terrenos

PF volta à Prefeitura do Recife em mais duas Operações por desvios de recursos públicos na pandemia: Bal MAsqué e Apneia III. Diretor Financeiro é afastado do cargo pro pagar mais de R$ 7 milhões por produtos jamais entregues