EM BELO JARDIM, DEMISSÕES E ATRASOS DE SALÁRIOS GERAM CAOS NA SAÚDE E GESTÃO AINDA CULPA MÉDICOS


Chegou ao Blog denúncia de que a Secretaria de Saúde de Belo Jardim, apesar de contar apenas com três médicos plantonistas no Hospital Júlio Alves de Lira, naquela cidade, achou por bem demitir um de seus médicos para, em seu lugar destacar uma enfermeira obstetra, para tirar os plantões, pagando a esta, um salário de R$ 3,8 mil por mês.

A denúncia, ainda dá conta de que os médicos recebem seus pagamentos em atraso, o que somente viria a ocorrer, a partir do dia 15 de cada mês e que tal fato teria tido início a partir da gestão de Sílvia Renata. 

Segundo a denúncia, a Folha de Pagamento estaria fechada para pagar os dias compreendidos entre 15 de outubro e 15 de novembro e esse pagamento só seria feito no dia 22 de dezembro, não havendo qualquer previsão de pagamento para os plantões que foram prestados a partir do dia 15 de novembro.

Além do médico plantonista que foi demitido do Hospital Júlio Alves de Lira e que estaria sendo substituído por uma enfermeira, todos os médicos e enfermeiros dos PSF também teriam sido demitidos.

A prefeitura alega que os profissionais querem receber antecipado, porém, esse argumento não procede, uma vez que já estamos no dia 13 de dezembro e não se pode considerar plantões feitos em novembro, por exemplo e cujo pagamento ainda não foi realizado como "pretensão a pagamentos antecipados".



MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Durante julgamentos de interesse da gestão Geraldo Julio, um dos quais envolvendo a Casa de Farinha, Conselheiros do TCE/PE perdem a calma, gritam e interrompem Procuradora que combate a corrupção no Governo de Pernambuco e na Prefeitura do Recife

Exclusivo: TJPE determina afastamento do Prefeito de Paulista, Junior Matuto, a pedido do Dracco, por desvios de R$ 21 milhões em PPP do lixo com a empresa Locar

"Grampos" da Operação Locador, do DRACCO, mostram temor de investigados de que chefões da gestão Matuto lhes fizessem "mal" e espanto com pagamentos em dinheiro vivo feitos pelo prefeito na compra de terrenos

PF volta à Prefeitura do Recife em mais duas Operações por desvios de recursos públicos na pandemia: Bal MAsqué e Apneia III. Diretor Financeiro é afastado do cargo pro pagar mais de R$ 7 milhões por produtos jamais entregues