PATRIMÔNIO DE BOLSONARO É INCOMPATÍVEL COM DECLARAÇÃO DE RENDA FORNECIDA AO TSE



Do Notícias ao Minuto

Jair Bolsonaro, que está em seu sexto mandato consecutivo como deputado federal, declarou à Justiça Eleitoral no ano de 2010, bens que totalizavam o valor de R$ 826.670,46. Depois de quatro anos, ou seja, nas eleições de 2014, o patrimônio declarado por ele foi de R$ 2.074.692,43. 

A variação patrimonial é maior do que a soma dos salários líquidos que Bolsonaro ganhou como deputado. Significa dizer que, mesmo que o político não gastasse nenhum centavo do que ganhou, entre 2010 a 2014, ainda sim o montante acumulado não chegaria a R$ 2 milhões, segundo o Mídia Ninja.

Existe ainda a questão de o deputado ter adquirido, em 2014, dois imóveis no Rio de Janeiro, mais precisamente na Avenida Lúcio Costa. Tais propriedades, em termos de valores imobiliários, seriam incompatíveis com o valor declarado por ele, uma de R$ 400 mil e outra de R$ 500 mil. 

Seria improvável que alguém pudesse comprar um imóvel como os de Bolsonaro, nesta localização, por esses preços entre 2010 e 2014, pois neste período o país chegou a viver uma "bolha imobiliária", fazendo com que os valores dos imóveis disparassem. 

Fora tais imóveis, Bolsonaro afirma que continua dono das propriedades que já haviam declarado em 2010, ou seja, foram acrescentados mais estas duas casas ao seu patrimônio. 

Bolsonaro sendo batizado pelo Pastor Everaldo, no Rio Jordão. 
O que causa estranheza é que ele não declara, entre seus bens, ser proprietário ou sócio de nenhuma empresa, por isso é inevitável querer saber como Bolsonaro pode cobrir tamanha variação patrimonial sendo deputado federal.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Durante julgamentos de interesse da gestão Geraldo Julio, um dos quais envolvendo a Casa de Farinha, Conselheiros do TCE/PE perdem a calma, gritam e interrompem Procuradora que combate a corrupção no Governo de Pernambuco e na Prefeitura do Recife

Exclusivo: TJPE determina afastamento do Prefeito de Paulista, Junior Matuto, a pedido do Dracco, por desvios de R$ 21 milhões em PPP do lixo com a empresa Locar

"Grampos" da Operação Locador, do DRACCO, mostram temor de investigados de que chefões da gestão Matuto lhes fizessem "mal" e espanto com pagamentos em dinheiro vivo feitos pelo prefeito na compra de terrenos

É tetra! Prefeitura do Recife recebe a quarta "visita" da Polícia por fraudes na pandemia, desta vez foi a DECOT. A prefeitura nega envolvimento