Munição utilizada para matar Marielle foi a mesma usada em chacinas praticadas por policiais e reforça suspeita de envolvimento de milicianos no crime


Carro onde a vereadora Marielle Fraco estava quando foi executada - Maurício Ferro / O Globo


Matéria de "O Globo" revela que uma das linhas seguidas pela Polícia Cilivil para apurar o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) investiga se a parlamentar foi morta por integrantes de uma milícia da Zona Oeste do Rio, já que em 2008, a parlamentar trabalhou na CPI das Milícias, como assessora de Marcelo Freixo, que indiciou mais de 200 pessoas.

De acordo com a reportagem, peritos da Polícia Civil fluminense passaram boa parte desta sexta-feira examinando cartuchos calibre 9mm recolhidos por agentes da Divisão de Homicídio da Capital (DH) no local do crime depois que se confirmou que as balas que mataram a parlamentar são de um lote que foi vendido pela fábrica CBC para a Polícia Federal. De acordo com especialistas, mesmo tendo sido adquiridos em 2006,  pela Polícia Federal do Distrito Federal, as balas têm prazo de validade de 20 anos, o que explicaria sua utilização no atentado contra a vereadora, agora, em 2018. Os responsáveis pela investigação verificam, ainda, se o mesmo lote de munição que foi desviado da PF foi usado em outros crimes, incluindo os que foram praticados pela milícia no Rio, mas já confirmaram que Perícia da Delegacia de Homicídios da capital, responsável pela investigação da morte de Marielle, aponta que a munição usada no assassinato da vereadora foi usada pela primeira vez no crime, ou seja, não tinha sido recarregada e é original. 

A Polícia também já descobriu que a munição utilizada para matar a vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Pedro Gomes, fazia parte do lote UZZ-18, que já havia sido usado na maior chacina de São Paulo, em agosto de 2015, na qual 23 pessoas foram mortas por policiais militares e guardas municipais. O lote foi vendido para a Polícia Federal de Brasília pela empresa CBC no dia 29 de dezembro de 2006. As polícias Civil e Federal vão iniciar um trabalho conjunto de rastreamento para tentar descobrir se houve desvio do material. por  nos crimes cometidos em Osasco, Barueri, Itapevi e Carapicuíba.

Só essa semana, três policiais militares suspeitos de integrar uma milícia foram presos em Bangu, acusados pelos crimes de extorsão e porte de arma. Com eles foram encontradas três pistolas, duas delas calibre 9mm. E cerca de 90 balas do mesmo calibre. 

A munição é do mesmo tipo que foi usado na execução da vereadora e tem procedência da mesma fábrica. Já se sabe que os PMs presos, na manhã da última quarta-feira, atuavam em Bangu e em Jacarepaguá, na Zona Oeste. Os investigadores procuram saber se as munições encontradas com os policiais são do mesmo lote. 

Até o momento, pelo menos cinco pessoas já foram ouvidas pela DH. A suspeita da polícia é que três pessoas tenham participado do crime, em dois carros. Um dos veículos usados na ação estava com uma placa clonada de um carro de Nova Iguaçu. 



MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos