Paulo Câmara e Geraldo Júlio na delação de João Carlos Lyra. Políticos são alvo de três inquéritos sigilosos no STJ

Governador  Paulo Câmara e Prefeito do Recife Geraldo Júlio foram delatados por João Carlos Lyra e são investigados em três inérquitos no STJ em razão do foro privilegiado de Paulo Câmara

O acordo de colaboração premiada assinado pelo empresário João Carlos Lyra, que teve parte de seu conteúdo revelado em primeira mão pelo Blog da Noelia Brito, ainda contém mais vários anexos onde a forma pela qual as propinas recebidas de empreiteiras eram repassadas para o PSB ou para políticos indicados por Aldo Guedes, ex-presidente da Copergas e pessoa apontada como intermediário do Partido e do ex-governador Eduardo Campos para recebimento dessas propinas. O Blog está utilizando o termo propina porque foi com esse termo que o próprio João Carlos Lyra se referiu aos repasses que eram feitos a Aldo Guedes e aos políticos decorrentes dos contratos superfaturados ou fictícios que, segundo ele, eram firmados com empreiteiras para irrigar os caixas de campanha e os bolsos dos beneficiários do esquema.

As mesmas fontes que forneceram parte da delação de João Carlos Lyra para nosso Blog e que foram reproduzidas por outros órgão da imprensa, sem os devidos créditos, confirmaram que tanto o governador de Pernambuco Paulo Câmara, quanto o prefeito do Recife, Geraldo Júlio constam dos anexos da delação de Lyra como beneficiários do esquema e que nos mencionados anexos "existe muito material sobre ambos". Os anexos envolvendo os dois mais importantes nomes do PSB de Pernambuco, que têm sido incensados por políticos do Partido dos Trabalhadores, como o senador Humberto Costa, que insiste em se aliar com o PSB, em busca da renovação de seu mandato como senador, são mantidos em sigilo, como em sigilo também estão os três inquéritos em tramitação no STJ, decorrentes da Operação Lava Jato, em que o governador de Pernambuco e o prefeito do Recife estão sob investigação. 

Fontes do Blog fizeram chegar ao conhecimento de nossa editoria que Paulo Câmara e Geraldo Júlio procuraram um desembargador aposentado do Tribunal Regional Federal da 5ª Região para ser advogado de ambos nos três inquéritos que correm perante o STJ, mas que o renomado advogado pernambucano não teria aceitado o encargo. A estratégia passaria pela busca de alguém com trâmite dentro do TRF da 5ª Região, para onde os inquéritos desceriam na hipótese da perda do foro privilegiado, com a possível derrota de Paulo Câmara, passando a prevalecer o foro privilegiado de Geraldo Júlio, que, na qualidade de prefeito, responde criminalmente perante o Tribunal Regional Federal. Findo o mandado de prefeito, ambos passariam a ser processados pela Justiça Comum.

O medo de dentro de dois anos (término do mandato de Geraldo Júlio) responderem perante Juízes Federais de 1ª instancia, menos suscetíveis a ingerências políticas, estaria por trás dos movimentos desesperados de Paulo Câmara e de Geraldo Júlio em renovarem o mandato de Câmara, mantendo o foro de ambos no Superior Tribunal de Justiça.




MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos