Com apoio de Odacy Amorim e de Julio Lossio na vice, Marília seria imbatível em Petrolina, atualmente governada por aliados do Temer



O deputado estadual Odacyr Amorim, do PT, que até a semana passada se apresentava como um dos pré-candidatos do seu Partido para disputar no Encontro do próximo dia 2 de agosto, a vaga na majoritária para o governo de Pernambuco, declarou apoio expresso não apenas a uma candidatura própria petista, mas que essa candidatura seja encabeçada pela vereadora do Recife, Marília Arraes, que lidera as pesquisas em empate técnico com o governador Paulo Câmara, do PSB.

O anúncio de Odacyr ocorreu durante a tradicional Missa do Vaqueiro, na cidade de Serrita e deve fortalecer o palanque de Marília em Petrolina, cidade da qual foi Prefeito. 

Acaso o também ex-prefeito de Petrolina, Julio Lossio, que é pré-candidato ao governo pela Rede, venha a aceitar ser vice na chapa petista, analistas consideram que Marília Arraes seria imbatível em Petrolina, que hoje é governada por um filho de Fernando Bezerra Coelho, um dos maiores defensores de Michel Temer em Pernambuco, formando, assim, um importante palanque anti-Temer naquela Região. Em recente entrevista à Rádio Folha, Marília Arraes chegou a dizer que seria uma honra ter Lossio compondo a chapa majoritária a seu lado: "Me sentiria honrada em ter Júlio Lóssio em nossa chapa. Ele fez uma gestão maravilhosa em Petrolina, tem muito a contribuir. Seria bom poder contar com ele na chapa."

MAIS VISITADAS DO MÊS

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Radar: João Campos recebe mais de R$ 5,2 milhões do Fundo Eleitoral do PSB e é recordista nacional de doações

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Desembargador extingue reclamação do Estado de Pernambuco contra decisão do Juiz que mandou suspender retorno das aulas presenciais

Exclusivo: Geraldo Julio deixou de pagar mais de R$ 8,2 milhões devidos à Reciprev referentes a contribuições previdenciárias dos inativos da PCR, aponta Auditoria do TCE/PE