Governo Paulo Câmara contrata, sem licitação, empresa investigada pelas Polícias Federal e Civil para fornecer alimentos para hospital do Estado


Apesar de ser público e notório que a empresa Casa de Farinha foi alvo da Operação Ratatuille, da Delegacia de Combate aos Crimes Contra a Administração e Serviços Públicos, por suspeitas de fornecimento de alimentos estragados para alunos das escolas municipais do Cabo de Santo Agostinho e de ter seus contratos suspensos com essa prefeitura e com as Prefeituras de Ipojuca, Recife e Paulista investigados pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco e pela Polícia Federal, que, inclusive, já realizou diligências dentro da Secretaria de Educação da PCR, onde coletou documentos referentes ao fornecimento de merenda por essa empresa aos alunos do Recife, ainda assim, o governo de Pernambuco não teve o menor pudor em dispensar mais uma licitação para contratar essa mesma empresa para fornecer alimentos para os pacientes do Hospital dos Servidores do Estado.

Por R$ 1.754.571,00 (Um milhão, setecentos e cinquenta e quatro mil, quinhentos e setenta e um reais), o Instituto de Recursos Humanos de Pernambuco acaba de contratar a tal Casa de Farinha para "prestação de serviços de produção e distribuição de refeições, com todos os gêneros alimentícios, equipamentos, logística, mão de obra, encargos e demais insumos do serviço, para atender pacientes, acompanhantes e funcionários HSE". O contrato tem vigência de 180 dias e tem data inicial, segundo extrato publicado no Diário Oficial, em 18/06/2018. Com a palavra, o sempre atuante Ministério Público de Contas e as Polícias Federal e Civil.


MAIS VISITADAS DO MÊS

Durante julgamentos de interesse da gestão Geraldo Julio, um dos quais envolvendo a Casa de Farinha, Conselheiros do TCE/PE perdem a calma, gritam e interrompem Procuradora que combate a corrupção no Governo de Pernambuco e na Prefeitura do Recife

Exclusivo: TJPE determina afastamento do Prefeito de Paulista, Junior Matuto, a pedido do Dracco, por desvios de R$ 21 milhões em PPP do lixo com a empresa Locar

"Grampos" da Operação Locador, do DRACCO, mostram temor de investigados de que chefões da gestão Matuto lhes fizessem "mal" e espanto com pagamentos em dinheiro vivo feitos pelo prefeito na compra de terrenos

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

PF volta à Prefeitura do Recife em mais duas Operações por desvios de recursos públicos na pandemia: Bal MAsqué e Apneia III. Diretor Financeiro é afastado do cargo pro pagar mais de R$ 7 milhões por produtos jamais entregues