ANTÔNIO CAMPOS VÊ O DEDO DO PALÁCIO EM INDICIAMENTO DE MARÍLIA E NA EXPULSÃO DE LOSSIO PELA REDE



Em nota divulgada ontem, o advogado e candidato a deputado estadual pelo Podemos, Antônio Campos e que também é irmão do ex-governador Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo durante a campanha presidencial de 2014, identificou o que chamou de "um verdadeiro atentado à democracia para tentar salvar a eleição de Paulo Câmara" no indiciamento a quinze dias das eleições da vereadora Marília Arraes, candidata do PT ao cargo de Deputada Federal.

Para Antônio Campos, o indiciamento  às vésperas das eleições é "uma forma de intimidar uma jovem liderança, que renova a política e que aprendeu com Arraes o respeito aos princípios democráticos."

O irmão de Eduardo Campos, que também é primo de Marília, mas faz oposição ferrenha ao governador Paulo Câmara e a Geraldo Julio, ambos do PSB, também considera que o "ajuizamento de 22 representações por parte da coligação do governador Paulo Câmara perante o TRE, que se prosperar tenta tomar todo o tempo da propaganda eleitoral de Armando Monteiro é uma forma antidemocrática de evitar o debate político, tão necessário nesse momento de Pernambuco e do Brasil.

Por fim, Antônio Campos cita a "retirada de Júlio Lóssio, sem o devido processo legal e de forma extremamente célere, com indícios de atuação de forças palacianas junto a membros da Rede Sustentabilidade, que esteve no início da pré-campanha com forças internas trabalhando a favor do apoio à candidatura de Paulo Câmara" como outro ato antidemocrático que tenta esvaziar o debate político e o processo eleitoral a duas semanas do pleito.


Segue a Nota na íntegra:

"É preciso respeitar o jogo democrático e o debate político.

No momento de polarizações e de extremos, em que se alimenta o discurso do ódio e da intolerância, em Pernambuco assistimos atônitos um verdadeiro atentado à democracia para tentar salvar a eleição do atual governador Paulo Câmara.

O indiciamento a quinze dias da eleição, no mínimo estranho, de Marília Arraes é uma forma de tentar intimidar uma jovem liderança, que renova a política e que apreendeu com Arraes o respeito aos princípios republicanos. 

O ajuizamento de mais de 22 representações por parte da coligação do governador Paulo Câmara perante o TRE, que se prosperar tenta tomar todo tempo da propaganda eleitoral de Armando Monteiro é uma forma antidemocrática de evitar o debate político, tão necessário nesse momento de Pernambuco e do Brasil.

A retirada da candidatura de Júlio Lóssio, sem o devido processo legal e de forma extremamente célere, com indícios de atuação de forças palacianas junto à membros da Rede de Sustentabilidade, que esteve no início da pré-campanha com forças internas trabalhando a favor do apoio à candidatura de Paulo Câmara é outro ato antidemocrático que tenta esvaziar o debate político e o processo eleitoral à duas semanas do pleito.

É preciso compreender esses atos não de forma isolada, mas como uma tentativa em várias frentes das forças palacianas em tentar evitar o segundo turno, atropelando o princípio democrático e o debate político, que o PSB Estadual tenta esvaziar em um discurso incoerente e de polarizações de extremos, que não condizem com a história do PSB de Arraes, João Mangabeira, entre outros. Não ao vale-tudo eleitoral!

É hora de resistência e de alertar a população que é necessário respeitar a pluralidade e o debate político das eleições e que o silêncio e a intimidação que querem fazer às oposições, terá o efeito contrário, num grande grito de indignação e que chegou a hora da mudança e de dizer não à truculência dos poderosos de plantão.

Recife/Olinda, 21 de setembro de 2018.

Antônio Campos

MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

É tetra! Prefeitura do Recife recebe a quarta "visita" da Polícia por fraudes na pandemia, desta vez foi a DECOT. A prefeitura nega envolvimento

Casa de Papel: ex-Gerente Geral da Secretaria de Governo de Geraldo Júlio é suspeito de intermediar contratos milionários da ALEPE com empresas de fachada "especializada em lavagem de dinheiro", aponta PF