Alvo da Operação Castelo de Farinha, Romero Pontual Filho se entrega e já está preso no COTEL. Empresário é dono da Casa de Farinha e estava foragido




A Polícia Civil de Pernambuco divulgou ontem que o empresário Romero Pontual Filho, sócio majoritário da Casa de Farinha, empresa investigada por vencer uma licitação na cidade de Ipojuca mediante fraudes, ameaças e tentativas de suborno contra os demais licitantes, já se encontra preso no Cotel, em Abreu e Lima, para onde foi encaminhado após se apresentar à Decasp. Romerinho, como é conhecido no meio político e empresarial, por ser filho de um dos principais nomes do PSB de Pernambuco, o ex-superintendente da Ceasa, Romero Pontual, estava em Miami quando sua ordem de prisão foi decretada pela Justiça Estadual.

No Cotel, Romerinho se junta a Nelson Canizza, também empresário e preso na mesma Operação e ao empresário Ricardo Padilha, preso preventivamente e que já foi denunciado pelo MPF sob a acusação de comandar uma organização criminosa especializada em fraudar licitações em vários órgãos do Governo de Pernambuco, especialmente na Casa Militar, desviando recursos das vítimas das enchentes e que foi alvo, por sua vez, da Operação Torrentes. O pai de Romerinho chegou a ser alvo de um mandado de condução coercitiva na Torrentes e se encontra com os bens bloqueados a pedido do MPF, naquela Operação, por atos praticados quando ainda dirigia a CEASA no governo Eduardo Campos.

Para entender o caso leia:

MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos