JUSTIÇA AUTORIZA MPF A ACIONAR IGREJA UNIVERSAL POR SONEGAÇÃO DE QUASE R$ 100 MILHÕES POR MEIO DE REMESSAS A PARAISOS FISCAIS E CONTRATOS SIMULADOS


O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) reconheceu, nesta segunda-feira (28), a legitimidade do Ministério Público Federal (MPF) para propor ação civil pública contra a imunidade tributária de R$ 98.366.260,61 obtida pela Igreja Universal do Reino de Deus, diante da potencial ofensa ao patrimônio público. Com a decisão, o processo voltará a ser julgado pela Justiça Federal na 1ª instância, que tinha extinguido o processo sem exame de mérito. O MPF argumentou que a ação civil pública não visa à tutela coletiva de contribuintes individualmente considerados, mas à defesa do patrimônio público. Segundo jurisprudência atual do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, é cabível ação pelo Ministério Público quando se discute a legitimidade de atos administrativos que concedem benefícios fiscais supostamente indevidos a contribuintes, diante da potencial ofensa ao patrimônio público. O lançamento tributário do valor milionário foi feito pela Receita Federal em São Paulo, que suspendeu o benefício fiscal por encontrar evidências de que os exercícios financeiros não atenderam aos pressupostos constitucionais da imunidade. Segundo a Receita, houve captação de recursos e sua transferência para o patrimônio pessoal dos dirigentes e empresas comerciais coligadas por meio de contratos simulados, inclusive situadas em paraísos fiscais. A Igreja Universal recorreu ao Primeiro Conselho de Contribuintes, que suspendeu a necessidade de pagamento com base na tese de imunidade tributária das atividades religiosas. Foi então que o MPF ajuizou a ação civil pública buscando não a tutela coletiva de contribuintes individualmente considerados, mas a defesa do patrimônio público, atribuição constitucional prevista no art. 129, III, da Constituição de 1988. No recurso ao TRF1, o MPF alegou que "os tributos, quando devidos, constituem patrimônio de todos e passam a integrar o conceito de patrimônio público. Assim, se uma decisão administrativa de forma indevida e equivocada, como no caso em análise, dispensa o contribuinte do pagamento do crédito tributário regularmente constituído, a sociedade torna-se lesada, ensejando a firme atuação do Ministério Público".

* Assessoria de Comunicação Procuradoria Regional da República da 1ª Região

MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Covidão: PF faz buscas nas Prefeituras do Recife, Paulista, Cabo e Olinda contra corrupção na pandemia