MP Eleitoral requer cassação do governador do Tocantins por irregularidades na campanha


O Ministério Público Eleitoral requereu a cassação do mandato do atual governador do Tocantins, Mauro Carlesse, e de seu vice, Wanderlei Barbosa por condutas abusivas durante as eleições.
Após a cassação do governador Marcelo Miranda, o então presidente da Assembleia Legislativa do Tocantins, Carlesse, assumiu interinamente o governo e se lançou candidato nas eleições suplementares, realizadas em junho de 2018. Segundo a denúncia, para conseguir vencer as eleições, os candidatos a governador e a vice-governador praticaram atos abusivos durante toda a campanha, destacando-se a contratação de servidores para cargos temporários e a destinação voluntária de verbas aos municípios.
Os requeridos também foram candidatos nas eleições regulares, realizadas quatro meses após as suplementares, e teriam continuado praticando os mesmos atos abusivos. Em primeiro de janeiro deste ano, dia da posse como novos governador e vice, foi publicada no Diário Oficial do Estado a extinção de mais de 15 mil contratos temporários, indicando que as contratações em número excessivo tiveram por finalidade o desequilíbrio do processo eleitoral.
Com base nas acusações, o MP Eleitoral requer a cassação dos mandatos e a designação de novas eleições para os cargos de governador e de vice-governador do Tocantins.
Para mais informações, veja a íntegra da ação de impugnação de mandato eletivo.
Com informações da Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria da República no Tocantins

MAIS VISITADAS DO MÊS

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos