MPMG PEDE BLOQUEIO DE R$ 5 BILHÕES DAS CONTAS DA VALE PARA VÍTIMAS E REPARO DE DANOS EM BRUMADINHO


TRAGÉDIA EM BRUMADINHO

Foi realizada na noite desta sexta-feira, 25 de janeiro, na sede da Procuradoria-Geral de Justiça , em Belo Horizonte, reunião com diversos órgãos públicos acerca da tragédia ocorrida com o rompimento da barragem Mina do Feijão, da Vale, em Brumadinho. Por iniciativa do procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet, foi instituída uma força-tarefa com representantes do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Trabalho (MPT), Advocacia Geral do Estado (AGE), Defensoria Publica do estado, polícias Civil e Militar de Minas, Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, que apresentaram as primeiras ações adotadas e reforçaram a importância de se trabalhar de forma coordenada.

Tonet agradeceu o pronto atendfimento de todas as instituições para a realização desse trabalho conjunto e disse que essa união é de suma importância para a obtenção mais célere de uma rigorosa apuração das responsabilidades criminais e cíveis, especialmente quanto à indenização dos familiares das vítimas e do meio ambiente, entre outros bens atingidos pela tragédia, adotando-se estratégia conjunta e resolutiva.

Ação cautelar
Desde o inicio da tarde até a noite desta sexta-feira, uma equipe do Núcleo de Combate aos Crimes Ambientais (Nucrim) do MPMG esteve na região do empreendimento acompanhando os trabalhos e levantando as primeiras informações sobre os danos às pessoas que estavam no local e ao meio ambiente.

No inicio desta noite, o MPMG ajuizou um pedido de Tutela Cautelar em Brumadinho requerendo que a Justiça obrigue a Vale a apresentar relatórios sobre as medidas que estão sendo adotadas pela empresa sobre a tragédia e sobre as barragens em situação de risco, além de determinar o bloqueio de valor não inferior a R$5 bilhões para garantir as medidas emergenciais de recuperação ambiental.

Participantes

MPMG

Antônio Sérgio Tonet - procurador-geral de Justiça
Nedens Ulisses Freire Vieira - PGJ Adjunto Institucional
Heleno Rosa Portes - PGJ Adjunto Administrativo
João Medeiros - secretário-geral
Denilson Feitoza - procurador de Justiça
Andressa de Oliveira Lanchotti - promotora de Justiça
Márcio Rogério Oliveira - promotor de Justiça
Claudia Spranger - promotora de Justiça
Francisco Chaves Generoso - promotor de Justiça
Giselle Ribeiro de Oliveira - promotora de Justiça

AGE

Sérgio Pessoa - advogado-geral do Estado
Cássio Roberto dos Santos Andrade - procurador do Estado

MPF

Isabela de Holanda - procuradora-chefe MPF/MG
Gustavo de Carvalho Fonseca - procurador da República
Antônio Arthur Barros Mendes - procurador da República
Lilian Miranda Machado - procuradora da República

MPT

Adriana Augusta de Moura Souza - procuradora-chefe do MP do Trabalho
Geraldo Emediato de Souza - procurador do Trabalho

Defensoria Púbblica

Raquel Gomes de Souza Dias - defensora pública de MG

Polícia Civil

Eduardo Vieira Figueiredo - delegado
Luiz Otávio Braga Paulon - delegado
Fernando Augusto Lopes Diniz - investigador
Marcos Lobato Rodrigues - investigador
Camilla Carvalho - investigadora

* Com informações da Assessoria de Comunicação do MPMG

MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Covidão: PF faz buscas nas Prefeituras do Recife, Paulista, Cabo e Olinda contra corrupção na pandemia