Novo promotor do caso Flávio/Queiroz se declara suspeito e deixa a investigação. A informação é de Lauro Jardim do Globo



O colunista Lauro Jardim, do Globo, revekou que Claudio Calo, da promotoria de investigação penal do Rio de Janeiro, para quem ontem a investigação do caso Flávio Bolsonaro/Fabrício Queiroz foi distribuídapela Central de Inquéritos, acaba de declarar sua suspeição em relação ao filho do presidente da República.

A manifestação de suspeição foi entregue ao promotor Marcelo Muniz, da Central de Inquéritos. O motivo de Calo declarar-se suspeito para cuidar do procedimento de investigação criminal é o conflito patente que teria que enfrentar se entrase de fato no caso, revela  Jardim,  que ainda lembrou que o promotor tem diversas manifestações em sua conta no Twitter que o revelam próximo das ideias bolsonaristas.

Calo, por exemplo, retuítou Carlos Bolsonaro num post crítico à imprensa e no qual defende o pai, e reproduziu entrevistas com Flávio justamente sobre suas relações com Queiroz. 

Assim, a investigação sobre Flávio e Queiroz, que já esteve nas mãos do Procurador-Geral, Eduardo Gussem, e desde ontem estava sob a responsabilidade de Calo, volta à estaca zero.

Amanhã, no entanto, o nome do novo responsável pela investigação deve ser anunciado. Calo, porém, vai manter sob sua alçada as demais investigações sobre servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro que lhe foram confiadas, pois são relativas a funcionários de outros deputados.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos