TRE DO AMAPA DECRETA INELEGIBILIDADE DO GOVERNADOR WALDEZ GOES, DO PDT



Por maioria de votos, TRE/AP decreta inelegibilidade do governador Waldez Góes e mais três por oito anos Os quatro foram condenados por abuso dos meios de comunicação nas eleições de 2014 Arte: Secom/PGR Por maioria de votos, o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE/AP), decretou a inelegibilidade de Waldez Góes (PDT), Gilvam Borges (MDB), Gionilson Borges e João Bosco Papaléo Paes, por oito anos, a contar das eleições de 2014, por abuso dos meios de comunicação. A decisão do pleno, desta sexta-feira (1º), atende pedido do Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) em Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije). Na Aije, o MP Eleitoral comprovou por meio de farto acervo de provas que os réus utilizaram veículos do grupo Beija-flor de Comunicação, do qual Geonilson Borges era diretor, para atacar deliberadamente o candidato adversário e enaltecer Waldez Góes, que venceu a disputa à época. Embora não tenha sido eleito, Gilvam Borges foi igualmente beneficiado, em detrimento dos demais candidatos. O julgamento, interrompido na sessão de quinta-feira (31), após pedido de vista, foi encerrado com cinco votos favoráveis e dois contrários ao entendimento do MP Eleitoral. Da decisão cabe recurso.

* Com informações da Assessoria de Comunicação Social Ministério Público Federal no Amapá

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

Contrato da iluminação pública de Olinda leva à condenação da vice-governadora de Pernambuco e ex-prefeita do município por improbidade administrativa com suspensão dos direitos políticos por seis anos

Corruptocracia Pernambucana: Prefeito com tornozeleira é recebido com festa ao retornar ao cargo depois de desviar quase cem milhões da Previdência. Veja o vídeo

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"