Articulador político do governo Bolsonaro com Estados e Municípios é alvo de delação por fraudes e corrupção em contratos de iluminação pública no Rio de Janeiro. Barroso já homologou acordo


Reportagem assimada por Thiago Prado, da Época, revela qur o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou no ano passado um acordo de delação premiada do empresário Paulo Roberto de Souza Cruz, que atua na área de iluminação pública no Rio de Janeiro. Em documento de seis páginas sob sigilo, Barroso trata do possível envolvimento de quatro políticos do Rio de Janeiro em crimes.

Reportagem da Revista Época revela que um dos políticos delatados é Marcelo Delaroli do PR e que atualmente, trabalha com Onyx Lorenzoni na Casa Civil, tratando da articulação política no governo Jair Bolsonaro. Delaroli foi deatacado por Bolsonaro como sru intermediário com Eatados e Municípios (LEIA EM
https://24horas.rio.br/2018/12/marcelo-delaroli-fara-interlocucao-de-bolsonaro-com-estados-e-municipios/ )

Dalaroli foi candidato a vice de Romário na corrida pelo Palácio Guanabara em outubro, mas acabou nem chegando ao segundo turno. Eis os dois trechos principais da homologação do acordo, revelado por ÉPOCA:

“Narra à PGR que o acordo foi celebrado a partir de investigações no Rio de Janeiro, destinadas a apuração de crimes licitatórios e de corrupção, por agentes locais. Nestas investigações surgem elementos que indicavam a participação de parlamentares federais. Aduz ainda, que Paulo Roberto de Souza Cruz, denunciado em ação penal que tramita perante a 5ª Vara Criminal de São Gonçalo, manifestou interesse em celebrar acordo de colaboração premiada e, nos depoimentos prestados, apontou a existência de prática de crimes por parlamentares federais.”

“Dos documentos juntados ao presente pedido é possível constatar que há elementos indicativos de possível envolvimento de autoridades detentoras de prerrogativa de foro perante esta Corte, a exemplo dos deputados federais Dejorge Patrício, Marcelo Delaroli, Rosângela Gomes e Walney Rocha, o que atrai a competência do Supremo Tribunal Federal para homologação do acordo.”

Paulo Roberto da Souza Cruz é dono da empresa Compilar e foi alvo da Operação Apagão em 2017. Na ocasião, o Ministério Público Estadual do Rio o acusou de participar de uma organização criminosa que fraudou licitações no município de São Gonçalo na gestão do ex-prefeito Neilton Mulin (PR). Souza Cruz também foi acusado de fraudes no interior do estado, como na cidade de Silva Jardim.

Como a delação foi homologada em 2018, todos os nomes foram tratados como deputados federais por Barroso. Alguns dos citados, no entanto, estão em outras posições atualmente, a exemplonde Dalaroli.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Certidão de Óbito autenticada pelo TJPE atesta morte de morador de Prazeres, em Jaboatão, Pernambuco, por coronavírus, mas SES não o inclui nas estatísticas. Secretaria silencia sobre o caso

URGENTE! Governo de Pernambuco estaria escondendo duas mortes por coronavírus. Denúncia é de policiais civis que trabalham no IML que não teriam equipamentos adequados para autópsia

Pacto Pela Morte: Delegados denunciam ordem do Governo Paulo Câmara que facilita prescrição de crimes, principalmente de homicídios, inclusive com ameaças de perseguições contra quem não aceitar prevaricar

Alunos de escola tradicional do Recife fazem apologia ao Nazismo e instituição solta nota de repúdio

Empresário que escapou de quarentena e levou covid-19 para sul da BA é filho de uma desembargadora do TJ/CE, ex-conselheira do CNJ