Para obrigar PM a cumprir reintegração de posse a pedido de empresa, juiz de Goiana manda bloquear soldo de oficial. Por que não manda bloquear o subsídio do governador, que é o chefe da PM?



Numa decisão arbitrária e ilegal, o juiz da Comarca de Goiana determinou que a Polícia Militar bloqueasse o soldo de um major da corporação por atribuir ao oficial, o descumprimento de uma ordem de reintegração de posse de um terreno pertencente à Companhia Agroindustrial de Goiana.

Todos sabem e os juízes mais ainda, que salários, vencimentos e soldos são impenhoráveis até o limite de 50 salários mínimos, o que hoje gira em torno de R$ 50 mil. A norma está expressamente prevista no Código de Processo Civil, de modo que qualquer ordem para bloquear esses valores que têm natureza alimentar, é flagrantemente ilegal e submete o magistrado a responder perante a Corregedoria e perante o CNJ. Para se ter uma ideia do absurdo da decisão, nem mesmo os soldos dos coronéis da Casa Militar que foram denunciados por corrupção e lavagem de dinheiro, pelo Ministério Público Federal, na Operação Torrentes foram bloqueados, pois têm a mencionada impenhorabilidade das verbas de natureza alimentar.

Quem ganha mais de R$ 50 mil no Brasil são os juízes e os promotores que não pagam impostos sobre as milionárias verbas de natureza alimentar. Ninguém mais, muito menos um Major da Polícia Militar de Pernambuco, que sabidamente é o Estado que paga pior aos seus policiais de ambas as forças.

Por outro lado, todos sabemos que ordens de desocupação contra populares pela Polícia Militar somente são realizadas com a autorização expressa do governador, em razão das implicações políticas para os chefes do Executivo e dos custos altíssimos da operacionalização de um despejo contra centenas de pessoas, com riscos inclusive de mortes, que evidentemente não serão atribuídas ao juiz, no conforto de seu gabinete, mas à Polícia Militar e ao próprio governador, sendo de se estranhar que se atribua a um simples major o poder que sabidamente é do governador. Sendo assim, se era para bloquear salário, por que o juiz não bloqueou o do chefe do PM, ou seja, Paulo Câmara?

Destaque-se que na própria decisão, o juiz afirma que "Na referida data o Sr. Meirinho certificou que (i) deixou de proceder com a reintegração de posse do imóvel porque o efetivo destacado era insuficiente, assim como o material disponibilizado." Fica claro que não houve a alegada recalcitrância da PM em cumprir a ordem judicial, mas falta de efetivo e material. Talvez se não existissem tantos policiais militares à disposição do Judiciário e do Ministério Público e da Assembleia Legislativa de Pernambuco, não faltasse efetivo para o cumprimento de ordens judiciais e para a segurança pública da população que inclusive é muito mais importante do que cumprir ordens judiciais para atender apenas a interesses privados.

Não seria mais simples e menos arbitrário oficiar o governador para que este fornecesse as condições, inclusive financeiras e de efetivo para a pretendida desocupação? Mais fácil prejudicar a parte mais frágil da cadeia de comando do que fazer o que é certo. Infelizmente, no Brasil é assim.

Para mais informações acessar o processo no PJE: 0000849-36.2018.8.17.2218.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Certidão de Óbito autenticada pelo TJPE atesta morte de morador de Prazeres, em Jaboatão, Pernambuco, por coronavírus, mas SES não o inclui nas estatísticas. Secretaria silencia sobre o caso

URGENTE! Governo de Pernambuco estaria escondendo duas mortes por coronavírus. Denúncia é de policiais civis que trabalham no IML que não teriam equipamentos adequados para autópsia

Pacto Pela Morte: Delegados denunciam ordem do Governo Paulo Câmara que facilita prescrição de crimes, principalmente de homicídios, inclusive com ameaças de perseguições contra quem não aceitar prevaricar

Alunos de escola tradicional do Recife fazem apologia ao Nazismo e instituição solta nota de repúdio

Empresário que escapou de quarentena e levou covid-19 para sul da BA é filho de uma desembargadora do TJ/CE, ex-conselheira do CNJ