Em novo áudio, prefeito de Camaragibe aparece negociando cargos e dinheiro com vereadores em troca da anulação do processo de impeachment e da eleição para presidência da Câmara. Prefeito foi alvo de Operação da DRACO na semana passada



Em novo áudio que circulou durante todo o fim de semana pelo Whatsapp (recebemos o mesmo audio de pelo menos seis fontes diferentes), o pefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira aparece em um diálogo com pessoas de nomes Roberto, Paulo André e Delio, que seriam vereadores da Cidade, oferecendo cargos e dinheiro, em troca da anulação de duas votações: uma que elegeu um ex-aliado, hoje desafeto do prefeito, para a presidência da Câmara Municipal, a quem o prefeito afirma na gravação querer que vá "pra puta que pariu" e a outra seria a que autorizou o processo de impeachment do prefeito por denúncias que inclusive já são investigadas pelo Ministério Público de Pernambuco e pelo Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado, o DRACO, que na semana passada chegou a pedir a prisão e o afastamento de Demóstenes Meira.

Um outro vereador de nome Leo é citado como alguém que precisaria da ajuda do prefeito e que por isso seria convidado a participar do esquema.

Não é possível afirmar se a conversa ocorreu antes ou depois na Operação da DRACO, mas é possivel ouvir claramente que o prefeito levaria na segunda-feira dinheiro para a Prefeitura para pagar os vereadores. Um dos particioantes da conversa, feita pelo "viva-voz, chega a recomendar ao prefeito que nao leve o dinheiro para a Prefeitura. Ouçam o áudio:


MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos