Estelionato: Bolsonarista fundador do Direita Pernambuco é preso pela Polícia Civil por aplicar golpes em aplicativos de transporte por meio de empresas fantasmas. Golpe teria extensão nacional




A Polícia Civil de Pernambuco prendeu Leandro Quirino, que se apresenta nas Redes Sociais como fundador do primeiro grupo militante de direita do Brasil e líder do grupo Bolsonarista Direita Pernambuco, pela prática reiterada de estelionato contra empresas de aplicativos de transporte por meio de empresas fantasmas criadas para registrar corridas fictícias que eram simuladas com a cumplicidade de motoristas qur cediam seus registros para o golpe, recebendo dos aplicativos 40% do valor das corridas jamais realizadas. O estelionatário que também se autoproclama filósofo e aluno de Olavo de Csrvalho, guru do presidente Bolsonaro e dos filhos deste, recebia 10% de comissão pelo golpe.


De acordo com a Polícia Civil, o esquema já foi detectado em outros Estados e aponta para a existência de um líder nacional da organização criminosa cuja identidade está em apuração.

Vejam a entrevista do delegado que prendeu o estelionatário explicando o golpe:



O estelionatário exibe várias fotos em companhia do presidente Jair Bolsonaro, inclusive na casa deste, demonstrando grande proximidade e intimidade com Bolsonaro. O golpista também exibe fotos portando uma pistola e no Congresso Nacional, ao lado dos filhos de Bolsonaro e do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Confiram:









MAIS VISITADAS DO MÊS

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Radar: João Campos recebe mais de R$ 5,2 milhões do Fundo Eleitoral do PSB e é recordista nacional de doações

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Desembargador extingue reclamação do Estado de Pernambuco contra decisão do Juiz que mandou suspender retorno das aulas presenciais

Exclusivo: Geraldo Julio deixou de pagar mais de R$ 8,2 milhões devidos à Reciprev referentes a contribuições previdenciárias dos inativos da PCR, aponta Auditoria do TCE/PE