PF prende ex-policial e segurança que vendem cocaína para produtores de eventos de classe média e alta do Recife



A Polícia Federal em Pernambuco, prendeu em flagrante no dia 17/04/2019, por volta das 20h, JOSÉ LAÉRCIO DE MORAES, 54 anos, vigilante, solteiro, natural de Inajá/PE e residente no bairro da Torre/PE-(não possui antecedentes criminais) e IVAN DEMOSTENES ARAUJO MACHADO, 54 anos, comerciante e ex-agente de polícia, casado, natural de Recife/PE e residente no bairro do Engenho do Meio/PE-(possui antecedentes criminais – já foi preso por tráfico de drogas e condenado a 9 anos de prisão, sendo demitido da Polícia Civil). As prisões aconteceram em virtude de investigações realizadas pela DRE-Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal dando conta de que no bairro do Cordeiro, haveria mais um repasse de drogas que seria comercializada em bairros de classes média e alta.




A ação teve seu desfecho final quando os federais se dirigiram para o local apontado nas investigações (casa de um vigilante) e perceberam a chegada de um veículo Toyota Hilux de cor prata, tendo o seu condutor (ex-agente de polícia) entrado na residência e saído na companhia do vigilante com um pequeno saco plástico, momento que ambos foram abordados pelos policiais federais. Ao ser aberto o saco plástico encontrou-se 15 (quinze) papelotes de cocaína que totalizou um peso bruto de 22g (vinte e dois gramas). Na residência do profissional de segurança privada foram encontrados e apreendidos uma balança de precisão para pesagem da droga, dois aparelhos celulares e a quantia de R$ 950 (novecentos e cinquenta) reais, pagos pela compra da droga pelo agente de polícia.



O veículo Toyota Hilux também foi apreendido.Terminado os trabalhos investigativos e tendo sido a droga encontrada, os suspeitos receberam voz de prisão em flagrante foram informados dos seus direitos e garantias constitucionais e em seguida levados para a sede da Polícia Federal no Cais do Apolo, onde acabaram sendo autuados pela prática do crime contido no artigo 33 e 35 da Lei nº 11.343/2006 (tráfico de entorpecentes e associação) e caso sejam condenados poderão pegar penas que variam de 5 a 15 anos de reclusão. Após a autuação, os presos realizaram Exame de Corpo de Delito no IML-Instituto de Medicina Legal, passaram pela audiência de custódia ONDE FORAM LIBERADOS E IRÃO RESPONDER AO PROCESSO EM LIBERDADE. Em seu interrogatório o vigilante disse que exerce a função há cerca de 5 (cinco) anos e que é usuário de cocaína desde os 20 anos de idade. Disse também que há pouco tempo passou a fornecer a droga para produtores de eventos das classes média e alta do grande Recife/PE e que cada saquinho com 1,5 gramas custa R$ 100 reais. Também falou que sua ligação com o policial é que repassam cocaína um para o outro quando o estoque acaba. Por fim disse que recebeu a cocaína de um traficante de Minas Gerais (não deu maiores detalhes). Já o policial preso disse que trabalha na compra e venda de carros usados e imóveis e que é sócio de um restaurante no bairro de Casa Forte e assumiu ter ligado para o vigilante com o objetivo de comprar vários saquinhos de cocaína. Por fim disse que era usuário de drogas e não traficante.Também foi detido no veículo com o ex-policial, um delegado aposentado que segundo depoimento dos presos não tem qualquer envolvimento com o tráfico de drogas, mas trata-se apenas de um usuário que vem passando por problemas familiares. Razão pela qual, ele foi ouvido e liberado em seguida por não ter sido comprovada a sua participação no envolvimento ou associação com os traficantes.

* Com informações e imagens da Assessoria de Comunicação da PFPE

MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos