CGU investiga empresa italiana envolvida em irregularidades com a Petrobras

CGU investiga empresa italiana envolvida em irregularidades com a Petrobras

Foco está em contrato da Saipem com a Petrobras, para instalação de gasoduto de ligação dos campos de Lula e Cernambi, na Bacia de Santos
A Controladoria-Geral da União (CGU), por meio da Corregedoria-Geral da União (CRG), instaurou, no dia 30 de abril, processo administrativo de responsabilização (PAR) em face da empresa Saipem S.A., do setor de petróleo e gás, subsidiária da multinacional italiana de energia Eni, presente em 62 países. 
O processo investigará supostas irregularidades ocorridas durante a fase de celebração do contrato firmado pela Saipem S.A. com a Petrobras, para a realização das obras de instalação do gasoduto submarino de interligação dos campos de Lula e Cernambi, localizado na Bacia de Santos, a 280 km da costa do Estado do Rio de Janeiro.
Uma das possíveis irregularidades seria o pagamento de propina a agente público da Petrobras para auxílio em concorrência, que resultou na assinatura de contrato dezembro de 2011. 
As irregularidades foram objeto de apuração no âmbito da Operação Lava Jato, tendo resultado na condenação – na esfera penal – de um dos representantes da Saipem S.A. no Brasil e de um ex-diretor da estatal.
No âmbito da CGU, a apuração terá por base a aplicação da Lei de Licitações e Contratos (nº8.666/1993) e a Lei Anticorrupção (nº12.846/2013), podendo culminar na aplicação de multa administrativa e no impedimento da empresa de contratar com a Administração Pública.
*Com informações da Assessoria de Comunicação da CGU

MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos