CGU investiga empresa sul-coreana envolvida em irregularidades na construção de navios-sonda para a Petrobras




Processo investigará supostas irregularidades ocorridas na fase de celebração de contratos firmado com a Petrobras


A Controladoria-Geral da União (CGU), por meio da Corregedoria-Geral da União (CRG), instaurou, no dia 10 de maio, processo administrativo de responsabilização (PAR) em face da empresa sul-coreana Samsung Heavy Industries Co., uma das líderes mundiais no setor de construção naval.

O processo investigará supostas irregularidades ocorridas durante a fase de celebração de contratos firmado com a Petrobras para a construção dos navios-sonda Petrobras 10.000 e Vitória 10.000. Os contratos movimentaram mais de US$ 1 bilhão e redundaram no pagamento de vantagens indevidas (propina) da ordem de US$ 53 milhões.

Essas irregularidades já foram objeto de apuração no âmbito da Operação Lava Jato, tendo resultado na condenação – na esfera penal – de várias pessoas, entre elas os lobistas Júlio Camargo e Fernando Soares, que teriam atuado em favor da Samsung Heavy Industries para obtenção fraudulenta dos contratos públicos.

No âmbito da CGU, a apuração terá por base a aplicação da Lei de Licitações e Contratos (nº 8.666/1993) e a Lei Anticorrupção (nº 12.846/2013), podendo culminar na aplicação de multa administrativa e no impedimento da empresa de contratar com a Administração Pública.

*Com Com informações da Assessoria de Comunicação da CGU

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"

Auditoria do TCE/PE constatou fraude fiscal, sonegação fiscal, superfaturamento, não prestação dos serviços em contrato de mais de R$ 16,7 milhões da ALEPE. Com a palavra o MPPE, o MPF, a Receita Federal e a Polícia Federal