PGR manifesta-se pela continuidade das investigações contra Eunício Oliveira e Alfredo Nascimento


A Procuradoria-Geral da República quer a continuidade das investigações contra o ex-senador Eunício Oliveira e o ex-deputado federal Alfredo Nascimento. A manifestação foi feita em duas contrarrazões aos agravos regimentais nos quais as defesas pedem o arquivamento dos inquéritos que investigam cada um dos ex-parlamentares. Os documentos foram enviados nesta segunda-feira (20) ao Supremo Tribunal Federal (STF).

No caso envolvendo Eunício Oliveira, a PGR pede que o inquérito 4437, que apura suposto recebimento de vantagens indevidas pelo ex-senador para atuar na aprovação da Medida Provisória 613/2013, seja conduzida pela Justiça Federal no Distrito Federal. Já o inquérito 4314, que investiga Alfredo Nascimento por possíveis pagamentos de vantagens indevidas ao ex-senador Vicentinho Oliveira, deve ser analisado pela Justiça Federal em Goiás. A investigação contra Nascimento tramita em segredo de justiça.

O vice-procurador-geral da República no exercício do cargo de procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, que assina os documentos, ressalta que o conjunto de provas colhido até o momento nos inquéritos fundamenta a continuidade das investigações. De acordo com Mariz Maia, o conjunto probatório afigura-se “bastante robusto à guisa de apontar a prática de crimes de corrupção e branqueamento de capitais”.

Segundo o vice-PGR, nas investigações constam elementos probatórios que demonstram a existência de fatos típicos, com indícios de materialidade e autoria delitivas, demonstrando-se plenamente viáveis do ponto de vista investigativo. Ele acrescenta que os autos trazem vários elementos de prova autônomos e independentes, como documentos e depoimentos.

Para ele, há justa causa para o prosseguimento dasinvestigações, que devem ser processadas no juízo competente de cada uma. De acordo com Mariz Maia, a interrupção prematura das investigações, como querem os agravantes, impedirá, de plano, o exaurimento da hipótese investigativa em exame, que, além de viáveis, vinham sendo paulatinamente corroboradas por novos elementos.

Inquérito 4437 – O Inquérito 4437 apura o recebimento por Eunício Oliveira, na condição de líder do MDB (antigo PMDB) no Senado Federal, de vantagens indevidas no valor de R$ 2,1 milhões como contrapartida a sua atuação na aprovação da MP 613/2013. Convertida na Lei 12.859/2013, a norma disciplinou o chamado Regime Especial da Indústria Química (REIQ), acarretando a desoneração fiscal para aquisição de matérias-primas – efeito que diretamente beneficiou a Braskem, braço empresarial do Grupo Odebrecht no setor petroquímico. Em termos práticos e gerais, a renúncia fiscal foi de R$ 9,54 bilhões, só no período de 2013 a 2015.

A investigação indica que, no âmbito legislativo, ao menos R$ 6,4 milhões possam ter sido investidos em vantagens indevidas para a conversão em lei da MP 613. De acordo com Mariz Maia, na tentativa de esclarecer os fatos narrados por colaboradores da Odebrecht, os órgãos de investigação ouviram inúmeras testemunhas e analisaram farta prova documental. Segundo ele, a gigantesca quantidade de informações que contém, e a complexidade delas, demanda, para sua análise, um grande volume de recursos materiais e humanos, além de tempo.

Para Mariz Maia, o esforço investigativo realizado no bojo deste inquérito permitiu que importantes passos rumo à elucidação dos fatos investigados fossem dados. “Entretanto, o completo esclarecimento dos fatos ainda demanda novas diligências, e, assim, a continuidade das investigações”, destacou.

Íntegra das contrarrazões no inquérito 4437


*Com informações da Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria-Geral da República

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Veja: COAF achou R$ 40 milhões na conta de um desembargador