Bebiano ironiza demissão de Santos Cruz: "Quando o presidente Carlos Bolsonaro toma uma decisão, não há volta. "


Após vários dias sob  ataque de Olavo de Carvalho, ex-astrólogo e guru de Bolsonaro e filhos, o General Santos Cruz, considerado um herói de guerra e conhecido por sua coragem, foi demitido na tarde se hoje pelo presidente, após uma hora de conversa no gabinete presidencial.

Depois de ofender com palavras de baixo calão e até acusações infundadas de corrupção, a vários integrantes da ala militar do governo, tudo sob os aplausos do filho doidivanas de Bolsonaro, a quem chama de número 3, Olavo se recolheu juntamente com o número três, criando a famaa expectativa de que teriam sido adestrados pelos militares. Ledo engano! Pelo visto tudo não passava de uma estratégia antecesente à demissão do drsafeto.

Carlos Bolsoanro sempre esteve de olho na secretaria de governo do pai, responsável não apenas pela política de comunicação, mas, principalmente, pelas verbas milionárias para a publicidade estatal, sobre as quais o número 3, juntamente com seu guru exilado na Virginia sempre sonharam colocar as mãos.

Gustavo Bebianno, que foi o primeiro ministro demitido no governo Bolsonaro, em razao de desentendimentos com Carlos, atribuiu a demissão de Santos Cruz a este: — Quando o presidente Carlos Bolsonaro toma uma decisão, não há volta.

O colombiano Vélez também foi demitido após ser fritado pela dupla maluquinha.

Mas maluco mesmo é o presidente, que se mostra totalmente subalterno aos caprichos e alucinações de grandeza do filho e de seu guru.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos