Bebiano ironiza demissão de Santos Cruz: "Quando o presidente Carlos Bolsonaro toma uma decisão, não há volta. "


Após vários dias sob  ataque de Olavo de Carvalho, ex-astrólogo e guru de Bolsonaro e filhos, o General Santos Cruz, considerado um herói de guerra e conhecido por sua coragem, foi demitido na tarde se hoje pelo presidente, após uma hora de conversa no gabinete presidencial.

Depois de ofender com palavras de baixo calão e até acusações infundadas de corrupção, a vários integrantes da ala militar do governo, tudo sob os aplausos do filho doidivanas de Bolsonaro, a quem chama de número 3, Olavo se recolheu juntamente com o número três, criando a famaa expectativa de que teriam sido adestrados pelos militares. Ledo engano! Pelo visto tudo não passava de uma estratégia antecesente à demissão do drsafeto.

Carlos Bolsoanro sempre esteve de olho na secretaria de governo do pai, responsável não apenas pela política de comunicação, mas, principalmente, pelas verbas milionárias para a publicidade estatal, sobre as quais o número 3, juntamente com seu guru exilado na Virginia sempre sonharam colocar as mãos.

Gustavo Bebianno, que foi o primeiro ministro demitido no governo Bolsonaro, em razao de desentendimentos com Carlos, atribuiu a demissão de Santos Cruz a este: — Quando o presidente Carlos Bolsonaro toma uma decisão, não há volta.

O colombiano Vélez também foi demitido após ser fritado pela dupla maluquinha.

Mas maluco mesmo é o presidente, que se mostra totalmente subalterno aos caprichos e alucinações de grandeza do filho e de seu guru.

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Paulo Câmara liberou R$ 60 milhões para pagar férias indenizadas no TJPE beneficiando a própria mulher que é juíza. Para os demais servidores, aumento na alíquota da Previdência. Manobra foi revelada pela Folha de São Paulo