Construtora Ingazeira foi autuada por utilizar empregados sem registro em obra da Prefeitura do Recife. Um dos trabalhadores foi vítima de acidente de trabalho onde fraturou a coluna

Registro do acidente de Trabalho em que servente de obra contratada pela Prefeitura do Recife à Ingazeira,
fraturou a coluna
O Blog da Noelia Brito obteve, com exclusividade, documentos que comprovam que a Construtora Ingazeira, de propriedade do empresário Marcos Travassos e que herdou contrato para dragagem em SUAPE, conforme matéria aqui mesmo publicada (Leia em hSUAPE: Sem participar da licitação, construtora do genro do deputado André de Paula herda contrato de R$ 33 milhões da empresa do ex-deputado Bruno Rodrigues, mas não quer pagar empregados oriundos do contrato), coleciona autuações por infrações à Legislação Trabalhista e às chamadas Normas Técnicas da Fiscalização do Trabalho.

O dono da Construtora Ingazeira, durante a campanhaeleitoral com o sogro, deputado André de Paula, 
líder do PSD, na Câmara dos Deputados

Em um dos casos mais graves, um empregado da Construtora, que trabalhava sem sequer estar registrado como tal, sofreu fratura na coluna, quando trabalhava em uma das obras contratadas à empresa, pela Secretaria de Saneamento da Prefeitura do Recife (assista vídeo dos colegas tentando resgatar o trabalhador dos escombros).




De acordo com o Auto de Infração nº 21.577.252-1, lavrado pela Superintendência Regional do Trabalho de Pernambuco, em 28/09/2018, o acidente de trabalho vitimou um dos empregados da Construtora Ingazeira, no dia 04/09/2018, na Rua Saturnino Carneiro, Prado, Recife. Tal acidente ocorreu, diz o auditor do Trabalho que autuou a empresa, "quando o referido empregado estava realizando um serviço de escavação próximo ao muro de um condomínio já edificado." Ainda segundo o Auditor do Trabalho, "referido muro desmoronou, vindo a cair sobre o empregado, provocando fratura na coluna lombar."




O Auto de Infração ainda aponta que foi constatado, "durante a fiscalização inicial, em plena atividade laboral, nas respectivas funções, mas sem o respectivo registro em livro, ficha ou sistema eletrônico competente os empregados relacionados a seguir: o empregado ***, operador de retroescavadeira, CPF ***, o empregado ***, mestre de obras, CPF ***; os empregados ***, que se apresentou como responsável pela obra, no momento da inspeção, mas não forneceu documentos; o empregado ***, mestre de obras e irmão do ***, que também não apresentou documentos. A empresa não apresentou nenhum contrato de prestação de serviços com estes empregados, nem comprovou qualquer outro vínculo com os mesmos, que eximisse da condição de empregados." (Suprimimos os nomes e os CPFs dos empregados).

Na Relação de Infrações Trabalhistas, fornecidoa pela Coordenação Geral de Recursos da Secretaria de Inspeção do Trabalho, ainda constam outras seis autuações da Fiscalização do Trabalho contra a Construtora Ingazeira por irregularidades no Quadro de Horário, Remuneração, Rescisões Contratuais e Contrato Individual de Trabalho.


Apesar das irregularidades apontadas até pela Fiscalização do Trabalho, com a ocorrência de grave acidente de trabalho que resultou em fratura da coluna de um trabalhador, em uma obra contratada por milhões pela Prefeitura do Recife, por meio de sua Secretaria de Saneamento, na época comandada pelo deputado estadual do Solidariedade, Alberto Feitosa, o Município firmou contratos, de mais de 100 milhões de reais com a Ingazeira, um deles no valor de 60 milhões, sem licitação, conforme revelamos anteriormente, aqui mesmo, em nosso Blog (Leia em  Além do contrato de SUAPE, Construtora do genro de André de Paula também herdou R$ 60 milhões em contratos sem licitação nas Prefeitura do Recife e de Olinda).


O Blog apurou que o dono da Construtora Ingazeira, Marcus Travassos, que também gosta de ostentar passeios em lanchas, mesmo diante das reclamações trabalhistas e autuações da Fiscalização do Trabalho contra sua empresa, estaria em Dubai

Nosso Blog revelou, recentemente, que essa Construtora responde a várias reclamações trabalhistas movidas por empregados da Constal, empresa a quem sucedeu em contrato milionário com o Complexo Industrial Portuário Governador Eraldo Gueiros (SUAPE), da mesma forma que herdou contratos na Prefeitura do Recife e de Olinda. 

O valor total da dívida trabalhista do Consórcio integrado pela Ingazeira, após a saída da Constal, cujo sócio administrador é o ex-deputado federal Bruno Rodrigues, concunhado do deputado federal Raul Henry, até bem pouco tempo vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, a quem SUAPE é vinculado, gira em torno de R$ 600 mil, ao passo que o Contrato de SUAPE com o Consórcio, para dragagem e Aterro Hidráulico para Alargamento do Canal nº 1, do Cluster Naval do Porto de Suape, é de R$ 33 milhões. A empresa ETCO, sediada na Paraíba, mas pertencente a um belga que mora no Rio de Janeiro, também integra o contrato, fornecendo a draga e segundo denúncia protocolada junto à Capitania dos Portos, em Pernambuco, até o momento não respondida, também apresentando situações de irregularidade na preservação da segurança de seus empregados (Leia em Denúncia à Capitania dos Portos aponta irregularidades na Operação e Execução de Dragagem no Porto de SUAPE. Assistam vídeos da dragagem.)

Nosso Blog se mantém à disposição para publicar as versões das pessoas, empresas e órgãos públicos citados na matéria. Até o momento, apenas a Prefeitura de Olinda se manifestou (Leia em Em nota, Prefeitura de Olinda assegura que contrato com Construtora Ingazeira é absolutamente regular ).
  

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Veja: COAF achou R$ 40 milhões na conta de um desembargador