Deputado bolsonarista é acusado de agressão contra a companheira e em nota nega acusação

Esposa do deputado estadual Marco Aurélio (PRTB) prestou queixa contra o marido nesta segunda (24), no Recife — Foto: Reprodução/TV Globo

O G1 e o Balanço Geral da TV Club divulgaram mais cedo que a Polícia Civil abriu um inquérito para investigar agressões sofridas pela esposa do deputado estadual Marco Aurélio (PRTB), líder da oposição na Alepe e principal articulador das manifestações pró-Bolsonaro em Pernambuco.

A vítima prestou queixa na manhã de hoje e contou ter sido empurrada pelo marido na noite do domingo (23), quando machucou a cabeça e as costas, além de dizer ser alvo de agressões físicas e verbais constantes. O parlamentar, porém, por meio de nota e em entrevistas, nega as acusações.

"Estamos juntos há três anos e, nesse período, eu contabilizei dez agressões físicas. As psicológicas são incontáveis", afirmou a companheira de Matco Aurélio, ao G1, preferindo se identificar.

“Eu tinha almoçado com meus filhos, como todo domingo, e, quando voltamos, perguntei onde ele teria almoçado. Ele me disse que foi em um canto, mas teria sido em outro. Eu questionei, mas, em nenhum momento, eu queria brigar. Ele já veio me agredindo, me xingando, botando o dedo na minha cara, dizendo que não era mentiroso e me deu um empurrão. Foi aí que eu caí”, contou ao G1.

“Faz um ano que eu saí de casa por cinco dias porque eu não aguentei mais, mas voltei achando que ele ia mudar”, declarou.

A esposa de Marco Aurélio alega ter procurado a polícia na noite do domingo (23), após a agressão. "Não tinham equipes de plantão porque eu vim às 21h, mas me pediram para vir hoje [segunda] pela manhã. Vendo os flagrantes aqui, eu pensei várias vezes em desistir", contou.

Ainda segundo a vítima, a denúncia não foi feita antes por se sentir amedrontada devido à condição social do marido.

“Ele já me disse ‘ah, não acontece nada comigo, só em flagrante’ e eu disse ‘eu espero que a gente não chegue a esse ponto’. Ele dizia ‘você não tem influência’, sempre querendo me diminuir, me amedrontar. Por vezes eu aceitei, calei, perdoei, mas agora eu não consigo mais. Está doendo muito, muito”, disse à reportagem do G1.

Leiam a Nota enviada ao Blog pela Assessoria do deputado Marco Aurélio:

NOTA 

Hoje à tarde fui surpreendido pela imprensa por declarações da minha ex-companheira que haveria procurado a delegacia da mulher apesar da mesma numa entrevista dada a TV CLUBE afirmar : “ eu não tenho marcas, possa ser que apareça depois , mas agora não tenho “ Em respeito aos meus eleitores e a sociedade pernambucana venho esclarecer o seguinte : Na noite de ontem , após chegar da Igreja tive uma discursão com minha então companheira de 3 anos , Elizabeth e resolvi encerrar o relacionamento , saindo de casa após ser agredido verbalmente pela mesma . Essas discursões vem há algum tempo ocorrendo e eu sempre alertando a mesma para que encontrasse um ponto de equilíbrio . Infelizmente, domingo à noite encerrei a relação . Ao sair de casa deixei claro que aquela era nossa última vez juntos e que hoje meu advogado iria contatá-la para que na terça fossem tomadas as medidas jurídicas . Para encerrar que deixar claro o meu total apoio a Lei Maria da Penha . Atitudes iguais às que estou passando servem como desserviço à todas mulheres que sofrem violência domestica e familiar . Assim foi que aconteceu os fatos . Quem me conhece sabe quem eu sou . Tenho duas ex mulheres e uma filha . Atenciosamente, 
 Marco Aurélio 
 DEP ESTADUAL

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Cunhado de Paulo Câmara ganha cargo comissionado na Presidência do TRT6. Funcionários veem favorecimento

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE