Deputado estadual do PSL do Ceará acusa colegas de terem ligações com facções e é cganado de "frouxo" por não dar "nomes aos bois"



O deputado André Fernandes, do PSL do Ceará resolveu disparar contra os próprios colegas acusações de que seriam ligados a facções criminosas.

De acordo com o parlamentar, todos os dias receberia denúncias sobre essas ligações e questinou a moral dos colegas para falarem em corrupção: "Qual moral tem deputado envilvido com facção para falar de segurança, sobre morqlidade, respeito e ética? Os deputadis estão sendo controlados. É algo obscuro. Tenho foro privilegiado. Quem tiver achando ruim que se exploda", disse o bolsonarista aos berros.

Os colegas de Fernandes reagiram no mesmo tom. Elmano de Freitas chamou Fernandes de "Frouxo" por ter se recusado a dar os nomes deputados que, segundo ele, estariam metidos com facções.

O foro privilegiado, porém, não livra o bolsonarista de responder a um processo disciplinar no Conselho de Ética. De acordo com o presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, deputado José Sarto, do PDT, a declaração de Fernandes foi infeliz e que caberua um processo por quebra de decoro contra ele, o que já estaria sendo articulado por diversos Partidos.

Elmano ainda afirmou que a paciência da Assembleia com as bravatas de André Fernandes já teria se esgotado.

André Fernandes foi o deputado estadual mais votado do Ceara e é considerado arrogante por jornalistas, a quem estaria destratando, sendo grosseiro contra qualquer um que o questiona.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Justiça recebe denúncia contra tenente coronel da PMPE acusado de assediar sexualmente 4 subordinadas policiais militares

Empresário é executado com tiro na cabeça, no Recife e Polícia mantém seu nome sob sigilo. Vítima seria irmão de autoridade do Poder Judiciário. Crimes de mando têm sido frequentes em Pernambuco

Roberto Viana e o Game of Thrones de Pernambuco

Antônio Campos cumpriu o que disse à Época e depôs hoje, no MPF, como testemunha em inquérito sigiloso envolvendo caciques do PSB. Vejam a nota

Indústria de multas de Geraldo Júlio arrecadou R$ 230 milhões em apenas 4 anos enquanto gastos com educação no trânsito não chegam a R$ 550 mil