EXCLUSIVO: EMPRESA CONTRATADA POR SUAPE PARA DRAGAGEM PERTENCE A BELGA CONDENADO POR TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS NA ITÁLIA.

Draga holandesa "No Woman No Cry" operando em SUAPE

A empresa ETCO, Consultoria, Comércio, Representações e Serviços Técnicos Ltda, sediada na Rua Mirian Barreto Rebelo, 31, sala 108, do Bairro Aeroclube, em João Pessoa, na Paraíba, tem como representante, o belga Paul Eric Charlier, residente no Rio de Janeiro. A ETCO é a afretadora da Draga "No Woman No Cry", que seria de propriedade de uma empresa holandesa chamada Macon Charter, que, por sua vez, teria decretada sua falência na Holanda, com a propriedade da draga sendo reivindicada pelo Deusche Bank.


A ETCO, conforme já visto em matérias anteriores, faz parte de um Consórcio com a empresa Construtora Ingazeira, que tem como sócio administrador, um dos genros do deputado federal André de Paula, que sucedeu, por força do 4º Termo Aditivo ao Contrato nº 40/2017, com SUAPE - Complexo Industrial Portuário Governador Eraldo Gueiros, à Constal Construção e Incorporação Ltda, cujo sócio administrador é o ex-deputado federal Bruno Rodrigues. A Constal e a Ingazeira são alvos de várias ações trabalhistas em razão dessa obra (Confira em SUAPE: Sem participar da licitação, construtora do genro do deputado André de Paula herda contrato de R$ 33 milhões da empresa do ex-deputado Bruno Rodrigues, mas não quer pagar empregados oriundos do contrato  e Construtora Ingazeira foi autuada por utilizar empregados sem registro em obra da Prefeitura do Recife. Um dos trabalhadores foi vítima de acidente de trabalho onde fraturou a coluna ).

O contrato tem por objeto a "Execução de Serviços de Dragagem e Aterro Hidráulico para Alargamento do Canal nº 1 do Cluster Navel, do Porto de Suape" e tem valor orçado em R$ 33.365.029,39, conforme demonstra o Termo de Adjudicação do objeto licitado em favor do Consórcio Constal/Etco.



Contrato de Afretamento traduzido

O que chama atenção, nesse caso, é que o valor do afretamento da draga, de acordo com o contrato entre a ETCO e a Macon Charter, em poder do Blog, é de nada menos que 190 mil euros por semana (sem considerar as despesas com pessoal), ou seja, 760 mil euros por mês, o que dá aproximadamente 3,5 milhões de reais por mês. Em stand-by o valor devido será de 50% do valor base do afretamento, ou seja, 95 mil euros. Taxa de Stand-by ou taxa de espera é aplicável quando a draga não está em uso ou durante períodos de mais de uma semana na execução de um serviço, sendo que a parada pode ser causada seja por motivo de 'força maior' ou por parada entre dois serviços.



A participação da ETCO, entretanto, se resume a 1% do valor do contrato, ou seja, por todo o serviço, que se arrasta desde 23/08/2017, portanto, há praticamente dois anos, o afretador ETCO estaria pagando, pelo uso da draga, o valor mensal de 3,5 milhões (correspondente aos 760 mil euros), para receber, apenas, por todo o contrato, 333 mil reais, o que é inimaginável, pois esse valor não é suficiente sequer para pagar uma semana do contrato de afretamento da draga. Ou o afretador não está pagando nada pelo uso da draga e com isso deixando de pagar os tributos relativos a remessas ao exterior, ou está gerando um prejuízo gigantesco para si mesmo, o que é, no mínimo, inusitado, o que também deveria causar estranheza ao Fisco. A ETCO, aliás, já tem dívidas ativas, inclusive em fase de execução fiscal, algumas parceladas, é bom que se diga, referentes ao PIS-Faturamento e ao Imposto de Renda da Pessoa Jurídica.


Outro fato que chama atenção é não constarem no Portal Tome Conta do TCE quaisquer pagamentos em razão dessa obra, muito embora esses pagamentos tenham efetivamente sido realizados pelo menos até a metade do valor do contrato.

Além disso, uma série de irregularidades foram denunciadas à Capitania dos Portos, na Operação e Execução de Dragagem no Porto de SUAPE sem que até o momento tenham sido respondidas (Confira em  Denúncia à Capitania dos Portos aponta irregularidades na Operação e Execução de Dragagem no Porto de SUAPE. Assistam vídeos da dragagem. ). Na denúncia à Capitania dos Portos consta o desligamento de um equipamento da Draga chamado "AIS", que tem função de posicionamento e rastreio, indispensável para o monitoramento da operação da Draga e que por ficar inoperante, "deixa de comunicar as demais embarcações que está em operação de dragagem e a tripulação não está realizando as anotações das operações do diário de navegação (diário de bordo), ressaltando que possivelmente, o afretador da Draga também descumpre regras da legislação trabalhista do MTE, como a não retirada do visto de trabalho dos tripulantes estrangeiros".

Consulta ao site "Marine Traffic", que registra a movimentação de todas as embarcações do Planeta, via satélite (https://www.marinetraffic.com/en/ais/home/centerx:-12.0/centery:25.0/zoom:4), comprova que mesmo estando em operação, os deslocamentos da Draga não estão sendo registrados pelo AIS, durante todos os momentos de seu funcionamento. Foram realizadas filmagens da draga em operação e naquele momento, o Traffic Marine não apresentava qualquer movimentação, levando à conclusão de que o equipamento estaria sendo desligado. Mas com que finalidade, é a grande questão (Confira em Denúncia à Capitania dos Portos aponta irregularidades na Operação e Execução de Dragagem no Porto de SUAPE. Assistam vídeos da dragagem. )

Não é de hoje que os responsáveis por esse contrato, em SUAPE, têm problemas com a justiça. De acordo com a decisão do STF, que findou por negar o pedido de Extradição em razão da prescrição, Paul Charlier, dono da afretadora ETCO, que é belga, teria sido condenado por tráfico internacional de drogas na Itália e preso no Brasil, em razão do pedido de Extradição. O pedido de Extradição teve início a partir de um mandado de prisão expedido pela Corte de Apelação de Palermo, na Itália, para execução de sentença daquele Tribunal, em razão de uma condenação a seis anos e seis meses de prisão, por associação criminosa destinada ao tráfico de entorpecentes, corrupção e receptação.

O Blog da Noelia Brito teve acesso, com exclusividade, à decisão do Supremo Tribunal Federal, referente ao pedido de Extradição nº 689-4, da República Italiana, em que aparece como Extraditando, o cidadão belga Paul Eric Charlier, que é ninguém menos que o proprietário da empresa contratada pelo Porto de Suape, para uma obra de dragagem no valor de R$ 33 milhões, consorciada com a Construtora Ingazeira, alvo de demandas trabalhistas que têm sido noticiadas aqui mesmo, neste Blog (Para acessar a íntegra da decisão do STF, clique AQUI).

A defesa de Charlier argumentou que o belga não seria traficante, mas uma espécie de infiltrado na máfia siciliana, pelo DEA, Departamento de Combate às Drogas americano, prestando informações àquele órgão e à própria polícia italiana e à belga, sobre a rota do tráfico internacional de entorpecentes ao longo do Canal Beirute-Palermo-Nova Iorque capitaneado pela organização mafiosa siciliana e sículo-americana.

Entretanto, de acordo com a Justiça italiana, que o condenou, Charlier e outros dois investigados de nomes Gillet e Barbet, na verdade, "mantinham, no ínterim, por vantagens pessoais, a fim de lucro, frequentes relações com os associados, sem que soubessem os investigadores e fora das projetadas investigações e, por vezes, traindo a confiança da polícia, e dos mesmos associados, tinham conduzido e realizado negócios clandestinos ilícitos por conta própria, como a compra por Manhamed em Beirute e a entrega a Cafalu Riccardo, em Nova Iorque,, de uma partida de 10 kg de heroína".




Ainda de acordo com o processo de Extradição, em depoimento à Justiça italiana, Paul "Charlier referiu, como já acenou, que Gillet, já em agosto de 1979, querendo associar-se com ele na compra de algumas partidas de armas, lhe dissera que podia dispor, então, de somas de dinheiro notáveis, embora não superiores a 300.000 dólares":


 A Justiça italiana, conforme transcrição do relator do Acórdão do processo de Extradição, destaca que o belga Charlier teria substituído, juntamente com outro comparsa, Barbé, a Gillet, que fora preso, nas atividades criminosas em associação com a organização mafiosa de Mafara Francesco e "embora fornecendo indicações à polícia helvécia e à DEA de Roma (das quais se consideravam confidentes) sobre a organização criminosa siciliana e sícula-americana, cuidaram, em agosto de 1980, dos transportes de duas partidas de heroína, de 8 kg, cada uma escondendo a substância em recipientes de detergente e em balões para mergulhadores"













 Apesar da gravidade das condutas imputadas pela Justiça italiana a Paul Charlier, que incluíam tráfico internacional de drogas em associação com a máfia siciliana e sículo-americana, o Supremo Tribunal Federal negou sua extradição por entender que os crimes estariam prescritos: "Constata-se, iniludivelmente, que a prescrição alcançou a todas as penas, mesmo antes do recebimento do pedido de extradição pelo Brasil."






Como é da nossa tradição, o Blog permanece aberto para a publicação de eventuais esclarecimentos que os citados nas matérias queriam nos enviar.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE

Exclusivo: Relatório do MPPE comprova que SDS tenta responsabilizar delegada Patrícia por prescrições ocorridas no século passado, antes da policial ingressar na própria Policia Civil. Quem estão querendo acobertar?