Justiça Federal acaba de absolver Adelio Bispo da facada em Bolsonaro. Juiz reconheceu inimputabilidade e ordenou internação por tempo indeterminado



Adélio era inimputável quando esfaqueou Bolsonaro. Com essa fundamentação, o juiz federal Bruno Savino, da Justiça Federal em Juiz de Fora, absolveu nesta sexta-feira (14), Adélio Bispo de Oliveira e deteminou a aplicação de medida de segurança, consistente em internação, por tempo indeterminado, enquanto durar a periculosidade, que deve ser reavaliada daqui a três anos. Em depoimento, Adelio afirmou que se fosse solto mataria Bolsonaro e Michel Temer.

Leiam a parte final da Sentença:

“Pelo exposto, em razão da inimputabilidade do réu ao tempo do fato, absolvo impropriamente Adélio Bispo de Oliveira, nos termos do art. 386, VI, do Código de Processo Penal. Pela imputação do delito previsto no art. 20, parágrafo único, primeira parte, da Lei n° 7.1 70/83, aplico medida de segurança de internação (art. 96, l, do CP e art. 386, parágrafo único, III, do CPP), por tempo indeterminado, enquanto não for verificada a cessação da periculosidade, o que deve ser constatado por meio de perícia médica, na forma do art. 97, §2°, do CP, ao fim do prazo mínimo, que fixo em três anos em razão das circunstâncias do atentado e da altíssima periculosidade do réu. Converto a prisão preventiva em medida cautelor de internação provisória. Determino que o réu seja mantido custodiado na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande/MS”, diz a decisão do juiz.

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

Auditoria do TCE/PE constatou fraude fiscal, sonegação fiscal, superfaturamento, não prestação dos serviços em contrato de mais de R$ 16,7 milhões da ALEPE. Com a palavra o MPPE, o MPF, a Receita Federal e a Polícia Federal

Operação Outline: PF faz Operação contra corrupção em obra do Governo de Pernambuco com recursos federais. Operação visa apurar propina de R$ 2 milhões paga por construtoras em obra no entorno da RMR

Veja: COAF achou R$ 40 milhões na conta de um desembargador