Marco Zero: Quatro representações pedem impugnação do edital de licitação para TV Alepe



Matéria publicada hoje pelo Portal Marco Zero Conteúdo, assinada pela jornalista Débora Britto revela que a licitação para contratação de empresa para operar a TV Alepe é alvo de vários questionamentos, tendo sido, inclusive denunciada ao Ministério Público de Pernambuco.

Segundo a reportagem, "Ao longo do mês de maio, o aviso de licitação foi publicado e sofreu dois adiamentos, seguidos de alterações do conteúdo do edital, passando a ser alvo de críticas internas e externas. Organizações da sociedade civil e o Fórum Pernambucano de Comunicação (Fopecom) apontaram irregularidades no edital e protocolaram quatro pedidos de impugnação em órgãos de controle – Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, Tribunal de Contas da União, Ministério Público de Pernambuco e Ministério Público Federal – além de solicitar esclarecimentos à Ouvidoria da Alepe."

A matéria reporta, ainda, que o aviso de licitação fora publicado em 14 de maio, apontando como objeto a “contratação de empresa, legalmente habilitada, para fornecimento de equipamentos de produção e pós-produção para SBTVD-T (Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre), incluindo serviços de instalação, integração, treinamento e garantia de funcionamento, pelo período mínimo de 12 meses, para atender as dependências físicas do Plenário, Plenarinhos, Auditório e Estúdio da Alepe”.

O valor máximo estabelecido pelo edital foi R$ 80.266,67. Os estranhamentos começaram por aí, diz o Marco Zero.

A reportagem do Marco Zero revela que "Especialistas da área de comunicação e do mercado audiovisual alertaram que o valor estava absolutamente fora da realidade para tudo aquilo o que o edital determia. Ao mesmo tempo, organizações da sociedade civil questionaram a razão de escolher a modalidade presencial para o pregão. Para Odilon Lima, do Fopecom, isso restringe a possibilidade de mais empresas e produtoras participaram do processo licitatório. 'O edital parece direcionado. Com o pregão presencial uma empresa tem que chegar lá e dar lance na hora. Se fazia muito pregão presencial até se perceber que estava havendo direcionamento. O TCU passou a orientar que, sempre que houver condições técnicas, que se faça o pregão digital', explica Odilon."

Para justificar a realização de pregão presencial é necessário um parecer que, segundo Odilon, não foi apresentado pela Alepe, relata a reportagem.

O texto também não deixa claro se está tratando de aluguel ou compra de equipamentos para estruturação de emissora de TV e rádio. A dúvida gerada pelo termo utilizado, no entanto, provocou mais reações. Os principais questionamentos se referem ao pouco tempo estipulado para submissão de propostas, o valor determinado e também às especificações técnicas exigidas no documento.

Outro ponto bastante estranho, diz respeito ao  primeiro adiamento, publicado logo no dia 16 de maio, alterou a data de abertura da licitação para um dia depois, ficando para o dia 28 de maio. É que , segundo o Marco Zero, uma retificação do valor máximo para submissão de propostas: foi para R$ 963.200,00. ou seja, uma diferença de quase 1.100% em relação ao valor original foi incluída.

A última modificação publicado no Diário Oficial aconteceu no dia 25 de maio. Desta vez, a licitação foi adiada para dia 07 de junho. De acordo com a apuração do Marco Zero Conteúdo, as mudanças feitas no edital correspondem apenas à data de abertura do processo e à alteração da descrição do objeto do edital: em vez de contratação de empresa “para fornecimento de equipamentos”, estabelece agora “para realização de serviços”.

“O que aparenta é que pegaram edital que estava pronto. Claramente existem erros e só por esses erros já não poderia acontecer”, critica Odilon Lima, em entrevista ao Marco Zero. Ele enxerga na impugnação da licitação a oportunidade de abrir um canal de diálogo com a Alepe para que a sociedade civil participe da construção do projeto da TV: “A assembleia precisa explicar para a sociedade porque tem recursos e não compra equipamentos, porque tem recursos e vai contratar uma TV para tocar um negócio. A gente está falando de comunicação pública. A gente vem lutando ao longo de muitos anos para que certos aspectos do direito à comunicação sejam garantidos, e o direito das próprias estatais. Comunicação é um direito, não é um luxo. Para a gente é fundamental que a Alepe chamasse a sociedade. Estamos totalmente a disposição para construir junto”, argumentou Odilon na mesma entrevista.

Segundo o Marco Zero, as denúncias foram construídas e apresentadas em conjunto pela Associação Brasileira de Documentaristas e Associação Pernambucana de Cineastas (ABD/APECI), Fórum Pernambucano de Comunicação e MAPE – Mulheres no Audiovisual de Pernambuco. De acordo com Marco Bonachela, produtor executivo e integrante da ABD/APECI, há dois problemas centrais no edital. O primeiro, segundo, é a abertura de licitação para terceirização da produção e equipamentos.
Resposta da Assembleia

Procurada pela reportagem, a Assembleia Legislativa informou que não tem conhecimento sobre as ações protocolados.

Com relação ao adiamento do edital de licitação por duas vezes, a Alepe apenas justificou que “a republicação do edital ao qual se refere, entendemos necessária para aperfeiçoamento do termo de referência, objetivando a participação de maior número de empresas no certame”.
Situação das ações judiciais

O Marco Zero informa que "o TCU acatou denúncia e abriu um processo para investigar o pedido de impugnação e os problemas apontados pelas organizações da sociedade civil. No TCU, o processo está sob responsabilidade do ministro Raimundo Carreiro Silva.". Já no TCE/PE, a denúncia teria sido arquivada sob a alegativa de perda do objeto, em razão do adiamento realizado pela Alepe no prazo para início da licitação. 

Por sua vez, o Ministério Público do Estado de Pernambuco teria iniciado procedimento investigatório, com o envio da denúncia, pela 14° Promotoria de Patrimônio, ao gabinete da Procuradoria Geral de Justiça do MPPE, já que a licitação é assinada pelo presidente da Alepe e por seu primeiro secretário, que têm foro privilegiado.

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Veja: COAF achou R$ 40 milhões na conta de um desembargador