OAB: A prática de violências contra pessoas LGBTI+ é incompatível com o exercício da advocacia



O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil respondeu à consulta realizada pela RENOSP-LGBTI+ realizada no dia 3 de abril deste ano e, na sessão do último dia 10 de junho, entendeu que autores(as) de atos violentos contra pessoas LGBTI+ não têm idoneidade moral e, por isso, não podem se inscrever nos quadros da Ordem dos Advogados do Brasil. Sem o registro, não podem exercer a profissão. 

A consulta, realizada pela RENOSP-LGBTI+, recebeu o nº 49.000.2019.003152-3 e o relator foi o Conselheiro Federal Carlos da Costa Pinto Neves Filho, de Pernambuco.

A súmula 11, aprovada no dia 10/04, tem a seguinte redação: 

"INIDONEIDADE MORAL. VIOLÊNCIA CONTRA PESSOA LGBTI+. ANÁLISE DO CONSELHO SECCIONAL DA OAB. Requisitos para a inscrição nos quadros da Ordem dos Advogados do Brasil. Inidoneidade moral. A prática de violência contra pessoas LGBTI+, em razão da Orientação Sexual, Identidade de Gênero e Expressão de Gênero, constitui fator apto a demonstrar a ausência de idoneidade moral para inscrição de bacharel em Direito nos quadros da OAB, independente da instância criminal, assegurado ao Conselho Seccional a análise do cada caso concreto."

Em nota, a RENOSP-LGBTI+ reafirma a continuidade do trabalhar para a prevenção e o enfrentamento da LGBTIfobia e o reconhecimento institucional de que as práticas homotransfóbicas são um desvalor social e é mais um passo na construção de uma sociedade livre, justa e igualitária. 

Além disso, a entidade agradece ao Conselho Federal da OAB pelo importante posicionamento e especialmente ao Dr. Hélio das Chagas Leitão Neto, por dar encaminhamento à consulta.

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Veja: COAF achou R$ 40 milhões na conta de um desembargador