STJ impõe mais uma derrota à defesa de Meira e indefere pedido de sigilo: "o interesse público se sobrepõe às necessidades particulares"



O ministro Jorge Mussi, relator do Habeas Corpus impetrado pela defesa do prefeito afastado de Camaragibe, Demóstenes Meira levou mais um revés naquela Corte Superior.

Além de não conseguir soltar o prefeito, que é acusado pela Polícia Civil e pelo Ministério Público de Pernambuco de liderar uma organização criminosa que desviou mais de 60 milhões dos cofres de Camaragibe por meio de fraudes em licitações, contratos superfaturadoa e funcionários fantasmas, teve pedido de decretação do sigilo do processo negao pelo relator.

Alegando que a suposta "grave doença" mental que a defesa sustenta ser a causa dos crimes cometidos por Meira contra o povo de Camaragibe, que também inclui assédio sexual contra servidores, a defesa pretendia esconder da população as razões pelas quais Meira deveria set liberado da prisão. Entretanto, o Ministro discordou dessa alegação e manteve a regra, que é a publicidade do processo. Para o ministro, o prefeito afastado está sendo investigado por crimes cometidos no exercício do mandato, havendo inquestionável interesse público nas razões pelas quais é pedida a revogação da sua prisão.

Leiam a íntegra da decisão;





MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Cunhado de Paulo Câmara ganha cargo comissionado na Presidência do TRT6. Funcionários veem favorecimento

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE