SUAPE: Sem participar da licitação, construtora do genro do deputado André de Paula herda contrato de R$ 33 milhões da empresa do ex-deputado Bruno Rodrigues, mas não quer pagar empregados oriundos do contrato



A Construtora Ingazeira, que tem como sócio administrador, um dos genros do deputado federal André de Paula, mesmo sem participar da Concorrência 07/2017 (Processo Licitatório nº 13/2017), foi agraciada com sua inclusão no Contrato nº 40/2017, com SUAPE - Complexo Industrial Portuário Governador Eraldo Gueiros, por meio do 4º Termo Aditivo àquele contrato, assinado pelo então diretor-presidente Carlos Vilar, substituindo a Constal Construção e Incorporação Ltda, cujo sócio administrador é o ex-deputado federal Bruno Rodrigues, bastante conhecido por sua participação especial do chamado "Mensalão Pernambucano". A Constal de Bruno Rodrigues, após receber alguns milhões pelo contrato e não pagar os empregados, alegou "a crise" para "passar o bastão" para a empresa do genro de André de Paula.






O contrato herdado pela Construtora Ingazeira tem por objeto a "Execução de Serviços de Dragagem e Aterro Hidráulico para Alargamento do Canal nº 1 do Cluster Navel, do Porto de Suape" e tem valor orçado em R$ 33.365.029,39, conforme demonstra o Termo de Adjudicação do objeto licitado em favor do Consórcio Constal/Etco:



Apesar de ter herdado o mencionado contrato, sem sequer ter que se submeter a uma licitação, a Construtora Ingazeira tem se recusado a pagar os direitos trabalhistas dos funcionários contratados pelo Consórcio para a obra, obrigando-os a ingressarem com várias ações trabalhistas, já que o contratante, no caso, o Porto de SUAPE e a empresa do ex-deputado Bruno Rodrigues, bem como a ETCO, cujo dono é um belga e que também integra o Consórcio, também se recusam a pagar os trabalhadores.

Nosso Blog levantou junto ao PJE a existência de pelo menos 26 ações trabalhistas contra  SUAPE e o Consórcio, a exemplo da RTOrd 0000446-89.2018.5.06.0192, ora citada apenas a título ilustrativo, donde se extrai que os representantes dos empregados têm alegado culpa de SUAPE ao escolher empresas que se furtam ao cumprimento de suas obrigações trabalhistas e tributárias, que deveriam ter sido objeto de rigorosa fiscalização por parte da estatal e sucessão de empresas, para incluir a Construtora Ingazeira como reclamada nas ações.



Por sua vez, a Ingazeira apresentou Contestação negando a ocorrência de sucessão de empresas:





O que chama atenção é o fato de uma empresa, a Constal, que recebeu milhões de SUAPE, não ter nenhum centavo em suas contas bancárias quando da tentativa de bloqueio realizada pela Justiça do Trabalho pelo Sistema BacenJud.





MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"

Auditoria do TCE/PE constatou fraude fiscal, sonegação fiscal, superfaturamento, não prestação dos serviços em contrato de mais de R$ 16,7 milhões da ALEPE. Com a palavra o MPPE, o MPF, a Receita Federal e a Polícia Federal