"Temerário", assim foi classificado pela Polícia Civil, contato telefônico de Demóstenes Meira com Desembargador na véspera da Operação Harpalo

23 de jun. de 2019

/ by Blog da Noelia Brito
Delegada Jéssica Ramos conduzindo o "todo-poderoso" Demóstenes Meira à prisão 


EXCLUSIVO

O Blog da Noelia Brito teve acesso, com exclusividade, à Representação da Polícia Civil que resultou na prisão e no afastamento do prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira, do PTB. A peça, assinada pela Delegada Jéssica Ramos, da 2ª Delegacia de Polícia de Repressão ao Crime Organizado (DRACO), destaca-se que "denúncias anônimas colacionadas aos autos dão conta de uma rede de pessoas quem compõem uma verdadeira organização criminosa, no conceito mais atual de CRIMINALIDADE INSTITUCIONALIZADA, envolvendo diversos políticos, empresários e funcionários públicos de mais de um município, em uma atuação conjunta para apropriar-se de bens públicos e ocultar  a origem ilícita da aquisição de bens e valores."

No pedido de prisão preventiva e afastamento de Meira ainda consta a revelação, oriundo do Relatório de Inteligência que extraiu informações do celular do prefeito, dando conta de que "um dia antes da deflagração da OPERAÇÃO HARPALO, no dia 25/03/2019,  DEMOSTENES MEIRA realizou uma ligação para o Desembargador FAUSTO CAMPOS, DO TJPE, o que parece bastante temerário".

A prisão de Demóstenes Meira foi determinada pelo Desembargador Mauro Alencar de Barros, na Operação Harpalo II, atendendo ao segundo pedido de prisão e afastamento do prefeito, realizado pela Polícia Civil, depois da análise das provas obtidas na Operação Harpalo I.


LEIA TAMBÉM

Em depoimento à DRACCO, testemunha contou que Meira se gabava de ter "comprado todo mundo no TRE"
© Todos os direitos reservados - 2021