Ao TCU, Paulo Guedes e COAF negam existência de investigação contra editor do Intercept alardeada pelo Antagonista






Lauri Jardim, do Globo, acaba de divulgar que em ofícios encaminhados ao presidente do TCU, José Mucio, Paulo Guedes afirmou que "não tem conhecimento" e nem "tomou parte de nenhuma questão relacionada" a investigações sobre movimentações financeiras do Coaf a respeito de Glenn Greenwald, dono do "The Intercept". 

Segundo o colunista, Guedes acaba de dar essa informação no ofício que enviou ao presidente do TCU, José Múcio Monteiro, em resposta à notificação enviada ontem pelo tribunal. Ou seja, não é uma resposta 100% clara, diz Jardim.

Por outro lado, o secretário-executivo do Coaf, Jorge Caetano, garante em ofício que acompanha a correspondência enviada por Paulo Guedes, que o órgão "não realiza investigações, nem mesmo a pedido da PF (...) de pessoas físicas ou jurídicas".

O pedido de esclarecimento a Guedes foi feito na sexta-feira pelo ministro Bruno Dantas a partir de uma representação feita pelo subprocurador-geral do Ministério Público de Contas (MP/TCU), Lucas Rocha Furtado. A suposta investigação seria obviamente uma tentativa de intimidar Greenwald, responsável pelo vazamento das mensagens que lançaram Sergio Moro no meio de uma crise.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Cunhado de Paulo Câmara ganha cargo comissionado na Presidência do TRT6. Funcionários veem favorecimento

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE