Cerca de 1000 autoridades e jornalistas teriam sido alvos dos supostos hackers presos pela PF ontem. Um dos presos teria confessado os crimes



Apesar de ter como foco a invasão do celular de Sergio Moro, as buscas autorizadas pela Justiça e as prisões dos suspeitos teriam levado os investigadores da PF a encontrarem provas de que os quatro presos ontem, dentre eles um estudante de Direito filiado ao DEM e um DJ que frequentava passeatas de Bolsonaro, participaram das invasões às contas no Telegram de cerca de mil autoridades dos três Poderes e de jornalistas.

A PF prendeu em Araraquara Walter Delgatti Neto, que já responde a processos por estelionato. Segundo informações da Justiça Eleitoral, ele é filiado ao DEM desde 2007. Conhecido como Vermelho, Delgatti teria confessado as invasões a cerca de mil contas do telegram.

O mandado de buscas, porém, faz  menção apenas a invasões à conta de Sergio Moro e do desembargador federal Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2.ª Região, no Rio, ao juiz Flávio Lucas, da 18.ª Vara Federal do Rio e aos delegados da PF Rafael Fernandes, em São Paulo, e Flávio Vieitez Reis, em Campinas.

De acordo com o site O Antagonista, Vermelho teria confessado a invasão ao telegram de Dallagnol e os vazamentos para o Intetcept.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Cunhado de Paulo Câmara ganha cargo comissionado na Presidência do TRT6. Funcionários veem favorecimento

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE