Estadão: Suposto Hacker "Vermelho" é filiado ao DEM e tem longa ficha criminal



Matéria do Estadão, assinada por Luiz Vassalo, revela um fato curioso relacionado a um dos supostos hackers presos ontem sob a suspeita de invadirem celulares de autoridades, dentre elas o ministro Sergio Moro e Deltan Dallagnol, chefe da Lava Jato, no MPF.

Além de vasta ficha criminal, a matéria conta que o suposto hacker conhecido por Vemelho, seria filiado ao DEM, partido de direita e que participa da base governista, a mesma do ministro hackeado.

Walter Delgatti Neto, o Vermelho, é de Araraquara, interior de São Paulo e foi preso na Operação Spoofing, ele acumula processos por furto, estelionato e falsificação de documentos.

Em outra ocasião, ‘Vermelho’, como é conhecido, foi parado pela Polícia Rodoviária Federal em São Carlos, com cheques e cartões de crédito, além de documentos falsificados. 

Ele chegou a se filiar ao DEM, em 2007. A última atualização de seu cadastro, em 2016, mostra que está ativo.

Segundo o Estadão, em 2015, ele foi preso em flagrante e denunciado por portar remédios de uso controlado e receitas em nome de pacientes. A acusação também envolve falsificação de documentos, já que portava uma carteira falsa do curso de medicina da USP.



Trecho de depoimento de ‘Vermelho’ à Polícia

No dia de sua prisão, disse ‘que foi estudante de medicina da USP, porém, não é mais, e utilizava sua carteira a qual exibiu a policiais nesta data para entrar em cinemas e pagar meia entrada, bem como para engrandecer perante meninas para pegá-las’. Ele negou a venda de remédios, e disse ser usuário deles.

Em janeiro de 2018, foi sentenciado a 2 anos em semiaberto pelo juiz Roberto Raineri Simão, da 3ª Vara Criminal de Araraquara. O magistrado considerou a falsificação de documentos, e o absolveu pelo crime de tráfico.

Já em 2014, Delgatti teria se passado por ‘André’ ao alugar um imóvel de uma mulher. O apartamento estava mobiliado. Segundo a denúncia, ele teria contratado um serviço de mudança, que chegou a enviar um caminhão ao prédio. Então, teria tentado fugir com geladeira, sofá, mesas, cadeiras, e uma TV de 50 polegadas.

Para sorte da proprietária do imóvel, a administradora do prédio teria chamado a polícia. Delgatti fugiu, mas o transportador ficou no local, e os bens foram devolvidos. O alvo da Spoofing foi denunciado por furto qualificado, em junho de 2018.

Delgatti também responde por estelionato. De acordo com o Ministério Público, ele usou o cartão de crédito de um advogado de Araraquara para comprar uma poltrona giratória, uma cabeceira, um jogo de lençol, travesseiros, um conjunto de box. Ao ver sua fatura, na casa dos R$ 3 mil, o advogado chamou a polícia. Os itens foram apreendidos na casa de Delgatti.

Além de passar pela polícia como indiciado, Delgatti também prestou boletins de ocorrência. Ele disse ao 2º DP de Araraquara, certa vez, em 2017, que estava sendo caluniado e difamado na faculdade de direito.


Trecho de boletim de ocorrência prestado por ‘Vermelho’

“Emerson e Gabriel estão me caluniando e difamando em sala de aula, cursamos direito na Universidade de Araraquara, devido algumas notícias no Google eles estão dizendo que eu sou hacker e que desvio dinheiro de contas de terceiros, inclusive estão alegando isso no grupo de WhatsApp da sala”, disse.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Cunhado de Paulo Câmara ganha cargo comissionado na Presidência do TRT6. Funcionários veem favorecimento

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE