Folha: Preso diz à PF que hackeou mensagens da Lava Jato e as entregou de forma anônima e gratuita ao Intercept


Matéria assinada por Rubens Valente e Camila Mattoso, para a Folha de São Paulo revela o hacker do DEM, Walter Delgatti Neto, preso na terça-feira (23) sob suspeita de atuar como hacker, contou à PF que seria a fonte do material publicado pelo site The Intercept Brasil com conversas de autoridades da Lava Jato.

Em depoimento, Delgatti, um dos quatro presos na operação de terça, disse que encaminhou as mensagens ao jornalista Glenn Greenwald, fundador do site, de forma anônima, voluntária e sem cobrança financeira, afirma a reportagem.

Os contatos com Greenwald foram, segundo o preso, virtuais, somente pelo aplicativo de conversas Telegram, e ocorreram depois que os ataques aos celulares das autoridades já tinham sido efetuados.

A polícia agora trabalha para confirmar se as informações dadas por Delgatti, de que agiu de forma voluntária e sem pedir dinheiro em troca, são verdadeiras.

Não há até agora indício de que tenha havido pagamento pelo material divulgado, segundo investigadores ouvidos pela Folha.

Em depoimento, Delgatti afirmou ainda ter agido neste caso por não concordar com os caminhos da Lava Jato. A apuração da PF é de que o grupo hackeava contas do Telegram e contas bancárias por dinheiro.

MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia