PF prende procurador do Estado do RJ que deu parecer em troca de propina em obra da Odebrecht



O procurador do estado do Rio Renan Miguel Saad foi preso, na manhã desta segunda-feira, em mais uma etapa da operação Lava Jato. Segundo a investigação, Renan Miguel Saad recebeu R$ 1,3 milhão através da Odebrecht, dentro do esquema do ex-governador Sérgio Cabral, para dar pareceres favoráveis e alterar trajeto da Linha 4 do Metrô.
A Globo News chegou a anunciar que se tratava de um procurador do MPRJ, mas na verdade, Miguel Saad é procurador do Estado.
Os agentes saíram da Superintendência da Polícia Federal (PF), na Região Portuária, pouco antes das 6h. O procurador foi preso em sua residência em São Conrado, na Zona Sul do Rio. Além do mandado de prisão, também são cumpridos mandados de busca e apreensão. 
A investigação aponta que Saad era identificado na planilha da Odebrecht como "Gordinho" e os repasses ocorreram entre 2010 e 2014. Um dos pagamentos, segundo delação premiada do ex-diretor de contratos da empreiteira, Marcos Vidigal do Amaral, foi de R$ 300 mil em espécie e entregue no escritório do procurador, no Centro do Rio. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), a alteração causou prejuízos para o estado, com a estimativa de gastos passando de R$ 3 bilhões para R$ 10 bilhões. 

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Cunhado de Paulo Câmara ganha cargo comissionado na Presidência do TRT6. Funcionários veem favorecimento

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE