Supostos Hackers presos ontem não eram investigados por mensagens vazadas pelo Intercept, revela decisão que decretou suas prisões.


A decisão do Juiz Federal da 10. Vara Federal Criminal do Distrito Federal que determinou a prisão dos supostos hackers que teriam invadido o celular do mimistro Sergio Moro e os de outras autoridades revela que o inquérito que deu ensejo à Operação não investiga a invasão e o vazamento de mensagens trocadas por Sergio Moro, quando ainda era juiz e demais integrantes da Lava Jato, a exemplo do procurador Deltan Dallagnol.

Apesar de Sergio Moro e outros bolsonaristas terem comemorado, pelo Twitter, a prisão dos supostos hackers, atribuindo a estes os vazamentos das mensagens comprometedoras trazidas a público pelo Intetcept, a verdade é que a leitura da íntegra da decisão, a que o Blog teve acesso, não traz qualquer referência a qualquer vínculo entre os crimes atribuídos aos supostos hackers e as mensagens vazadas pelo Intercept.

De acordo com a decisão, a investigação teria como foco a invasão ao celular de Sergio Moro e de dois delegados da Policia Federal, bem como de um desembargador e um juiz federal.

O levantamento do perfil dos supostos hackers, feito pela Folha e pelo Estadão, revela dados curiosos. De acordo com o Estadão, o investigado conhecido como Vermelho seria um estudante de Direito, com vasta ficha criminal, amante de armas e frequentador de clube de tiro e filiado ao DEM desde 2007. Já o DJ que também é investigado, teria participado de passeatas pró-Bolsonaro e até filmado os eventos com drone.


MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos