Justiça manda bloquear R$ 2,2 milhões da Prefeitura do Recife por descumprimento de decisão judicial. Pedido atende ao MPPE



O juiz de Direito Luiz Gomes da Rocha Neto determinou o bloqueio de R$ 2.250.000,00 das contas da Prefeitura do Recife a pedido do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) por causa do atraso, de cerca de 30 dias, do órgão em cumprir a determinação judicial de fornecer produtos com fórmulas lácteas para crianças com alergia à proteína do leite da vaca e de suplementos alimentares enterais industrializados para crianças, adultos e idosos.

A recente decisão também indeferiu o pedido de reconsideração da primeira decisão formulado pela Prefeitura e voltou a assegurar o fornecimento desses produtos aos pacientes que tenham indicação de médico ou de nutricionista da Rede SUS/PE e que, após realização de consulta, recebam prescrição para consumo de fórmulas lácteas e os suplementos alimentares. A primeira decisão judicial deveu-se a uma ação civil pública ajuizada pelo MPPE em defesa dos pacientes.

Segundo o juiz, o direito à saúde é tutelado pela Carta Magna (artigo 196) e abrange os produtos citados, os quais são essenciais a preservação e restabelecimento à saúde dos necessitados. Uma nova audiência de conciliação/mediação foi marcada para 25 de setembro, às 14h30, na 7ª Vara da Fazenda Pública.

Com informações da Assessoria de Comunicação do MPPE

MAIS VISITADAS DO MÊS

Única nota 1000 do ENEM de Pernambuco faz homenagem a seu professor de Português

Exclusivo: Sai João e entra Tadeu na sucessão no Recife

Coincidência: donos do terreno desapropriado por R$ 38 milhões por Geraldo Julio são parentes de outro prefeito do PSB

Ataques de Secretário de Geraldo Julio contra Patrícia Domingos em debate são confissão de pânico de uma possivel candidatura da policial à Prefeitura do Recife

À Época, Antônio Campos afirma ter denunciado, às autoridades, esquema maior do que o da Paraíba, operando em Pernambuco pelas mãos de Renata Campos e do PSB