MPF na 5ª Região apura possível violação aos direitos econômicos e sociais dos nordestinos por parte da CEF


O Ministério Público Federal (MPF) na 5ª Região instaurou procedimento administrativo para apurar possível violação aos direitos econômicos e sociais dos nordestinos por parte da Caixa Econômica Federal (CEF) no que se refere à concessão de empréstimos. O responsável pelo caso é o procurador regional da República e coordenador do Núcleo de Apoio Operacional à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do MPF na 5ª Região, Duciran Van Marsen Farena. 

O procedimento foi instaurado após matérias divulgadas pela imprensa relatarem que a nova gestão da CEF teria reduzido, este ano, os empréstimos para estados e municípios da Região Nordeste a níveis irrisórios, representando apenas 3% do total de empréstimos contratados em todo o país, quando nos anos anteriores a participação da região oscilava entre 18 e 21%. Segundo as publicações, haveria uma orientação da presidência do banco para não liberar os recursos, em retaliação às escolhas políticas da população. 

O procurador regional da República Duciran Farena destaca, no procedimento administrativo, que este bloqueio de recursos, se comprovado, “representa violação dos direitos econômicos e sociais dos habitantes da Região, a de menor renda per capita do país, concentração de renda e agravamento das desigualdades sociais e regionais, em violação à Constituição Federal, que adota como objetivo fundamental da República a redução de desigualdades sociais e regionais. Caso a informação seja confirmada, representaria ainda ato de improbidade administrativa”.

O MPF ressalta ainda que a CEF, empresa pública federal, ao contratar com o poder público estadual ou municipal atua como agente de políticas públicas de interesse social do governo federal, não podendo pautar-se na aprovação de contratações por critérios discriminatórios ou arbitrários. “Os recursos de operações de crédito junto à Caixa Econômica Federal são fundamentais para que Estados e Municípios, em especial os mais carentes e com menores possibilidades de arrecadação, possam viabilizar projetos de elevado interesse social nas áreas de infraestrutura, saneamento, geração de empregos, mobilidade urbana, habitação, meio ambiente, etc., concretizando direitos econômicos e sociais previstos na Constituição Federal”, assinalou Duciran Farena.

A presidência da Caixa alegou que os recursos não foram liberados por questões de endividamento da Região Nordeste. Porém, matérias divulgadas pela imprensa contradizem essa informação ao apontarem a contratação e liberação de empréstimos para outras regiões que apoiam o governo federal, mesmo não atendendo aos requisitos necessários em razão de endividamento. 

Esclarecimentos – O MPF requisitou informações à presidência da Caixa sobre o percentual de operações de empréstimos contratadas neste ano, a partir de 1º de janeiro, por estados e municípios do Nordeste; operações de créditos pendentes na região e demonstrativo da proporção de operações de crédito contratadas, discriminando estados e regiões, para os anos de 2014 a 2018. Além disso, questiona se existiu orientação do banco para que não fossem contratadas operações para os estados e municípios nordestinos e, em caso de resposta negativa, pede que seja explicado o valor percentual nacional de apenas 3% dos empréstimos liberados para a Região, dentre outros esclarecimentos. 

Foram expedidas comunicações às Unidades do MPF de todos os estados do Nordeste para acompanharem as solicitações, contratação e liberação dos recursos da CEF e enviada notificação à superintendência regional do banco em Pernambuco para reunião.

Procedimento Administrativo n.º 1.05.000.000293/2019-10.


Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria Regional da República da 5.ª Região

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE

Exclusivo: Relatório do MPPE comprova que SDS tenta responsabilizar delegada Patrícia por prescrições ocorridas no século passado, antes da policial ingressar na própria Policia Civil. Quem estão querendo acobertar?