Pelo Twitter, Carlos Bolsonaro e Gleisi Hoffmann trocam farpas usando apelidos: "Amante" e "Primo"



A derrubada do veto de Jair Bolsonaro ao projeto de lei que criminaliza a disseminação de "fake news" contra candidatos durante as eleições gerou uma troca de farpas entre a presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann e o vereador Carlos Bolsonaro.

Logo após Gleisi postar em seu Twitter que a derrubada do veto seria um recado a Bolsonaro, Deltan e Moro, Carlos respondeu por meio de outro tuit "Não, Amante", numa alusão ao apelido dado à petista na Lista da Odebrecht e que insinuava uma relação entre a então senadora e o presidente Lula. Gleisi não se fez de rogada e contra atacou: "Claro que não, primo @carlosbolsonaro", numa alusão às insinuação de que Carlos teria uma relação homoafetiva com um dos primos, apesar da sanha homofobica do clã Bolsonaro. 

Esse é o nivel atual do debate político no Brasil, focado na vida sexual de parte a parte. Certamente, Freud, para quem as relações sexuais humanas são, na verdade, relações de poder, explica.


MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Covidão: Comandada pelo presidente do PSB de Pernambuco, Sileno Guedes, Secretaria alvo de busca e apreensão da Operação Inópia, do DRACO, da CGU, da PF e do GAECO adquiriu 200 mil cestas básicas a empresa de medicamentos