PF abre inquérito para apurar peculato que teria ocorrido entre 2017 e 2018, na Fundaj. Presidência atual manda instaurar investigação interna



O Blog da Noelia Brito teve acesso a um ofício da Polícia Federal, endereçado à presidência da Fundaj, que confirma a existência de um inquérito em tramitação na Superintendência da PF, em Pernambuco, para investigar supostas irregularidades ocorridas naquele órgão. Trata-se do inquérito IPL 306/2018-4 e o ofício é datado de maio de 2019.

O Blog apurou que o inquérito investiga a prática de Peculato em licitações do órgão, que é vinculado ao Ministério da Educação e que a denúncia que deu ensejo às apurações teria sido feita ao Ministério Público Federal, pelo ex-deputado estadual, Edilson Silva, hoje sem Partido, apontando a contratação, pela Fundaj, mediante inexigibilidade de licitação, nos anos de 2017 e 2018,  das empresas AFONSO OLIVEIRA PRODUÇÕES CULTURAIS EIRELI-ME e CACTUS PROMOÇÕES E PRODUÇÕES EIRELI, que guardariam vínculos entre si.

De acordo com o inquérito, haveria indícios de antecipação de parte dos recursos decorrentes dessas contratações, antes mesmo da prestação efetiva do serviço.

Uma denúncia anônima sobre as mesmas irregularidades  também foi encaminhada à Ouvidoria da Fundaj e à CGU e virou objeto de investigação interna pelo órgão, conforme relatório da da Ouvidoria da Fundaj, a que o Blog também teve acesso.










De acordo com a denúncia feita à Ouvidoria da Fundaj, teriam sido feitos três projetos, nos anos de 2017 e 2018, que estariam superestimados e feitos com dispensa de licitação com empresas vinculadas a um gestor da época. Os projetos são: Mestre dos Saberes, de valor de R$ 331,3 mil, uma cantata natalina no valor de R$ 78,5 mil, e uma exposição de J Borges no valor de R$ 121 mil.

O Blog apurou que no início da gestão de Antônio Campos, em 11 de junho deste ano, o ouvidor da Fundaj, Pedro Lima, protocolou memorando relatando os fatos e reformatando denúncia, cujos autos tinham sido perdidos na Casa.

No mesmo dia do recebimento do memorando da Ouvidoria,  o Presidente da Fundaj despachou, abrindo os procedimentos adinistrativos de apuração e controle. Inicialmente, determinou ouvida prévia para justificativas. Contudo, por se acharem insuficientes, determinou a abertura de inquérito administrativo disciplinar, ante indícios de irregularidades, na semana passada.

Ouvido pelo Blog, o atual Presidente da Fundaj declarou: "Ao tomar conhecimento do memorando da ouvidora, como também da existência de procedimentos na CGU e na Polícia Federal, que demonstram relevância do assunto, determinei os procedimentos administrativos de controle e apuração cabíveis, que não estavam sendo realizados, assegurando o direito de defesa e o contraditório, sem pré-julgamentos. Recomendei que os nomes dos servidores investigados sejam mantidos em sigilo até a conclusão do inquérito, ante a presunção de inocência constitucional. Fiz o dever de administrador. Estamos colaborando com a CGU e a Polícia Federal em outros assuntos em apuração. A Fundaj recentemente nomeou auditor, cargo que estava vago há seis meses”, disse Antônio Campos ao Blog.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Sem saber que estava sendo gravado, marido e assessor de vereadora relata fraudes em licitações envolvendo deputado federal e esquemas com emendas parlamentares. Até manipulação do MPPE para obter vantagens ele confessa

Incômodo de políticos influentes com investigações estariam por trás de perseguições a Delegada Patrícia Domingos, suspeita presidente da ADEPPE

Exclusivo: Relatório do MPPE comprova que SDS tenta responsabilizar delegada Patrícia por prescrições ocorridas no século passado, antes da policial ingressar na própria Policia Civil. Quem estão querendo acobertar?