Sindicato da PF divulga dura nota por fala de Bolsonaro dando a entender que foi o responsável pela troca de superintendentes



Pegou muito mal junto aos policiais federais as declarações do presidente Jair Bolsonaro dando a entender que a decisão de substituir o superintendente da PF no Rio de Janeiro Ricardo Saadi pelo atual superintendente da PF em Pernambuco, Carlos Henrique Oliveira teria partido dele, Bolsonaro.

Em reação à fala de Bolsonaro, o Sindicato dos Delegados de Polícia Federal de São Paulo (SINDPF-SP) divulgou nesta quinta uma nota de repúdio. As declarações que causaram desconforto na PF foram dadas durante café da manhã com jornalistas na manhã de hoje,

Leia abaixo a íntegra da nota:

"O Sindicato dos Delegados de Polícia Federal no Estado de São Paulo (SINDPF-SP) manifesta seu repúdio às declarações dadas pelo presidente da República acerca da exoneração do superintendente regional da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Evocando um “sentimento” e alegando motivo de “produtividade”, Bolsonaro anunciou sua decisão durante entrevista a jornalistas no Palácio da Alvorada, em Brasília.

A escolha de superintendentes compete ao Diretor-Geral da Polícia Federal e a fala do presidente, mais que desrespeitosa, atenta contra a autonomia da Polícia Federal.

A PF é uma instituição de Estado e deve ter autonomia para se manter independente e livre de quaisquer ingerências políticas. Por isso é tão urgente que se aprove a PEC 412, que tramita há 10 anos no Congresso Nacional para garantir a autonomia da instituição."

MAIS VISITADAS DO MÊS

Única nota 1000 do ENEM de Pernambuco faz homenagem a seu professor de Português

Exclusivo: Sai João e entra Tadeu na sucessão no Recife

À Época, Antônio Campos afirma ter denunciado, às autoridades, esquema maior do que o da Paraíba, operando em Pernambuco pelas mãos de Renata Campos e do PSB

Coincidência: donos do terreno desapropriado por R$ 38 milhões por Geraldo Julio são parentes de outro prefeito do PSB

Ataques de Secretário de Geraldo Julio contra Patrícia Domingos em debate são confissão de pânico de uma possivel candidatura da policial à Prefeitura do Recife