Veja: Bolsonaro indica para o CADE advogada acusada de vender decisões do STJ para a JBS. A advogada é filha de uma desembargadora federal bolsonarista

Desembargadora Federal, Maria do Carmo Cardoso, que é mãe da apadrinhada de Bolsonaro para o CADE, concedeu liminar para suspender determinação da 6ª Vara Federal do Distrito Federal que proibia os atos de comemoração do aniversário de 55 anos do golpe militar de 1964. 
Segundo a Veja, em matéria assinada por Robson Bonin, a indicada de Bolsonaro para o Cade, a advogada Lenisa Prado já foi acusada pelo Ministério Público de integrar um esquema de venda de sentença, do qual também faria parte sua irmã, a advogada Renata Prado. As duas são filhas da desembargadora Maria do Carmo Cardoso, que caiu nas graças de Bolsonaro.

Em 2017, Veja revelou mensagens de outra história envolvendo as irmãs. Arquivos obtidos pela revista sugeriam que Renata vendia decisões de ministros do STJ à JBS. No conjunto de mensagens, que foi entregue ao MP, Renata deixa claro que Lenisa também defendia os interesses da JBS no tribunal — a ponto de despachar pessoalmente com ministros.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Radar: João Campos recebe mais de R$ 5,2 milhões do Fundo Eleitoral do PSB e é recordista nacional de doações

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Desembargador extingue reclamação do Estado de Pernambuco contra decisão do Juiz que mandou suspender retorno das aulas presenciais

Exclusivo: Geraldo Julio deixou de pagar mais de R$ 8,2 milhões devidos à Reciprev referentes a contribuições previdenciárias dos inativos da PCR, aponta Auditoria do TCE/PE