Veja: Bolsonaro indica para o CADE advogada acusada de vender decisões do STJ para a JBS. A advogada é filha de uma desembargadora federal bolsonarista

Desembargadora Federal, Maria do Carmo Cardoso, que é mãe da apadrinhada de Bolsonaro para o CADE, concedeu liminar para suspender determinação da 6ª Vara Federal do Distrito Federal que proibia os atos de comemoração do aniversário de 55 anos do golpe militar de 1964. 
Segundo a Veja, em matéria assinada por Robson Bonin, a indicada de Bolsonaro para o Cade, a advogada Lenisa Prado já foi acusada pelo Ministério Público de integrar um esquema de venda de sentença, do qual também faria parte sua irmã, a advogada Renata Prado. As duas são filhas da desembargadora Maria do Carmo Cardoso, que caiu nas graças de Bolsonaro.

Em 2017, Veja revelou mensagens de outra história envolvendo as irmãs. Arquivos obtidos pela revista sugeriam que Renata vendia decisões de ministros do STJ à JBS. No conjunto de mensagens, que foi entregue ao MP, Renata deixa claro que Lenisa também defendia os interesses da JBS no tribunal — a ponto de despachar pessoalmente com ministros.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Sai PSB e entra PSL no comando do Diário de Pernambuco comprado por bolsonarista que chamou jornalistas de mentirosos e depois apagou o Twit

Políticos pernambucanos em pânico: Agiotas do Jatinho que delataram FBC gravaram conversas com delatados e entregaram áudios à PF, revela decisão de Barroso

Conselheiro do TCE/RJ, ligado ao MDB, é o mandante do assassinato de Marielle, revela inquérito da Policia Federal. O motivo seria vingança contra Freixo por perda do foro privilegiado