Veja: Bolsonaro indica para o CADE advogada acusada de vender decisões do STJ para a JBS. A advogada é filha de uma desembargadora federal bolsonarista

Desembargadora Federal, Maria do Carmo Cardoso, que é mãe da apadrinhada de Bolsonaro para o CADE, concedeu liminar para suspender determinação da 6ª Vara Federal do Distrito Federal que proibia os atos de comemoração do aniversário de 55 anos do golpe militar de 1964. 
Segundo a Veja, em matéria assinada por Robson Bonin, a indicada de Bolsonaro para o Cade, a advogada Lenisa Prado já foi acusada pelo Ministério Público de integrar um esquema de venda de sentença, do qual também faria parte sua irmã, a advogada Renata Prado. As duas são filhas da desembargadora Maria do Carmo Cardoso, que caiu nas graças de Bolsonaro.

Em 2017, Veja revelou mensagens de outra história envolvendo as irmãs. Arquivos obtidos pela revista sugeriam que Renata vendia decisões de ministros do STJ à JBS. No conjunto de mensagens, que foi entregue ao MP, Renata deixa claro que Lenisa também defendia os interesses da JBS no tribunal — a ponto de despachar pessoalmente com ministros.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Durante julgamentos de interesse da gestão Geraldo Julio, um dos quais envolvendo a Casa de Farinha, Conselheiros do TCE/PE perdem a calma, gritam e interrompem Procuradora que combate a corrupção no Governo de Pernambuco e na Prefeitura do Recife

Exclusivo: TJPE determina afastamento do Prefeito de Paulista, Junior Matuto, a pedido do Dracco, por desvios de R$ 21 milhões em PPP do lixo com a empresa Locar

"Grampos" da Operação Locador, do DRACCO, mostram temor de investigados de que chefões da gestão Matuto lhes fizessem "mal" e espanto com pagamentos em dinheiro vivo feitos pelo prefeito na compra de terrenos

É tetra! Prefeitura do Recife recebe a quarta "visita" da Polícia por fraudes na pandemia, desta vez foi a DECOT. A prefeitura nega envolvimento