Alepe concede título de cidadão pernambucano ao cearense Dirceu Barros, Procurador Geral de Justiça de Pernambuco


A Assembléia Legislativa de Pernambuco entregará, em Reunião Solene a ser realizada no próximo dia 02 de outubro, às 18 horas, no Auditório Senador Sergio Guerra, o Título de Cidadão de Pernambuco ao Promotor de Justiça Francisco Dirceu Barros, atual Procurador Geral de Justiça.

O autor da Resolução para concessão da honraria é o Deputado Estadual Lucas Ramos. Presidirá a Reuniao o Deputado Eatadual e Chefe do Poder Legislativo Estadual, Eriberto Medeiros.

Dirceu Barros é cearense do Crato e foi recentemente reconduzido ao cargo máximo do MPPE, após liderar a lista tríplice em votação da categoria. É mestre em Direito (Ordem Jurídica Constitucional), tem especialização em Direito Penal, Processo Penal e Direito Eleitoral. Ingressou no Ministério Público de Pernambuco em 30 de setembro de 1999, como promotor de Justiça na Comarca de Exu. Passou como titular ou por cumulação pelos municípios de Correntes, Moreilândia, Ouricuri, Trindade, Bodocó, Panelas, Águas Belas, Lagoa do Ouro, Angelim, Jurema, Bom Conselho e Garanhuns. Atualmente é o 2º promotor de Justiça Criminal de Garanhuns e coordenou a sede das Promotorias de Justiça de Garanhuns e tem realizado destacado e inovador trabalho na implantação do acordo de não persecução penal para os crimes cometidos sem violência ou grave ameaça e cuja pena máxima for inferior a quatro anos, instituto que considera o futuro do Direito Penal.

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"

Auditoria do TCE/PE constatou fraude fiscal, sonegação fiscal, superfaturamento, não prestação dos serviços em contrato de mais de R$ 16,7 milhões da ALEPE. Com a palavra o MPPE, o MPF, a Receita Federal e a Polícia Federal